Dúvidas Português Parte 2 - Ortografia - Língua Portuguesa



20. A dúvida é: Vasos com lindos copos-de-leite ou copos de leite enfeitavam a sala?
A resposta é: Vasos com lindos copos-de-leite enfeitavam a sala.
Copos de leite, sem hífen, são copos com leite. Nesse caso, copo é copo e leite é leite. Quando nos referimos à flor, é copo-de-leite com hifens. E o plural é copos-de-leite. Segundo o Novo Acordo Ortográfico, em compostos com elemento de conexão, só haverá hífen se o vocábulo designar algo ligado à zoologia ou à botânica: banana-da-terra, joão-de barro…
Quanto à formação do plural, seguem a regra que manda pôr no plural somente o primeiro elemento da palavra composta ligada por preposição: bananas-da-terra, joões-de-barro, pés de moleque, pães de ló, pés de cabra…
No caso de copo d’água, não há hífen, mas aparece o apóstrofo, que indica a supressão de um fonema: copo de água = copo d’água, galinha de Angola = galinha d’Angola, para = p’ra… É importante observarmos que o sinal (’) se chama apóstrofo, e não apóstrofe, que é uma figura que consiste em dirigir-se diretamente a alguém ou alguma coisa. Apóstrofo é um sinal gráfico, e apóstrofe é uma figura de estilo semelhante a um vocativo.

21. A dúvida é: O caranguejo ou carangueijo está na bandeja ou bandeija?
A resposta é: O caranguejo está na bandeja.
Existem palavras em que a vogal “i” do ditongo “ei” é omitida na linguagem falada. Um exemplo disso é a palavra ameixa, que muitos pronunciam “amexa”. Entretanto há palavras em que ocorre o contrário, ou seja, acrescentamos uma vogal “i” indevida: “carangueijo”, “bandeija”, “prazeirosamente”, “beneficiente”… O certo é caranguejo, bandeja, prazerosamente e beneficente.
O certo é aleijado ou alejado? Nesse caso, o correto é aleijado. O verbo é aleijar, com ditongo “ei”. As palavras derivadas consequentemente também apresentam o ditongo “ei”: aleijado, aleijão, aleijamento…

22. A dúvida é: Sua ância ou ânsia é imensa?
A resposta é: Sua ânsia é imensa.
A palavra ânsia se escreve com “s”, embora a terminação “ância” seja, normalmente, com “c”: concordância, constância, discordância, elegância, estância, mendicância, vigilância…
Se a palavra ânsia se escreve com “s”, as palavras derivadas também devem ser grafadas com “s”: ansiedade, ansioso…
Devemos tomar cuidado com algumas semelhanças: farsa ou farça? Disfarsar ou disfarçar? Cansar ou cançar? Alcansar ou alcançar? O certo é: farsa, mas disfarçar; cansar, mas alcançar. Embora haja semelhança na pronúncia, são palavras de famílias diferentes: cansar, cansado e descanso são com “s”, mas alcançar, alcançado e alcançável são com “ç”.

23. A dúvida é: Usaremos um sistema audiovisual ou audio-visual?
A resposta é: Usaremos um sistema audiovisual.
Os prefixos ou elementos prefixais que se associam a termos bem modernos surgidos no século XX geralmente juntam-se diretamente, ou seja, sem hífen: audiovisual, audiometria, audiofrequência, bioterrorismo, estereofônico, hidroavião, macroeconomia, microcomputador, motosserra, radioamador, radiotáxi, telecomunicação, televenda, telessexo…
Segundo o Novo Acordo Ortográfico, só haverá hífen se a palavra seguinte começar por “h” ou “vogal igual”: mini-hospital, micro-ondas…
Bem-me-quer ou bemmequer? Mal-me-quer ou malmequer? Por incrível que possa parecer, aqueles que se querem bem andam separados por hífen, e aqueles que não se querem bem andam juntinhos. O certo é bem-me-quer e malmequer. Acredite se quiser.

24. A dúvida é: Vive à custa ou às custas do pai?
A resposta é: Vive à custa do pai.
Embora muito usada no plural, a locução prepositiva é “à custa de”. É importante lembrar que as locuções prepositivas de base feminina devem receber o acento da crase: à custa de, à mercê de, à base de, à procura de, à moda de…
Fato semelhante acontece com as locuções “de maneiras que” e “de modos que”. O certo é “de maneira que” e “de modo que”.

25. A dúvida é: Ele pediu a bênção ou benção ao padre?
A resposta é: Ele pediu a bênção ao padre.
Toda palavra paroxítona terminada em “ão” deve ser acentuada graficamente: sótão, órgão, órfão, bênção…
É importante lembrar que til é sinal de nasalização, e não acento gráfico. Há quem pense: como pode a palavra “bênção” ter dois acentos? Na verdade, há apenas um acento gráfico, que é o circunflexo.
O certo é acórdão ou acordão? Aí depende. Em linguagem jurídica, temos o acórdão, que é “a decisão final proferida sobre um processo por tribunal superior, que funciona como um paradigma para resolver casos análogos”. O plural de acórdão é acórdãos. Já o “acordão”, sem acento circunflexo, seria o aumentativo de acordo, seria um “grande acordo”. Nesse caso, o plural é “acordões”.

26. A dúvida é: Quero saber onde, quando e por quê ou por que?
A resposta é: Quero saber onde, quando e por quê.
Já sabemos que a palavra porque deve ser escrita separadamente nas perguntas diretas e indiretas. A novidade é o acento circunflexo, que é obrigatório quando a palavra que aparece no fim da frase: “Parou por quê?”; “Não tem de quê.”; “Disse não sei bem o quê.”; “Fez isso não sei para quê!”
Se a sequência dos advérbios interrogativos fosse alterada, a palavra porque, antes da vírgula, continuaria com acento circunflexo: “Quero saber por quê, onde e quando”.

27. A dúvida é: Trabalhou muito afim ou a fim de ser promovido?
A resposta é: Trabalhou muito a fim de ser promovido.
A locução a fim de (=para), que indica “finalidade”, deve ser grafada separadamente: “Estuda a fim de ser aprovado no concurso” (=para ser aprovado no concurso).
O adjetivo afim refere-se à afinidade e devemos escrever “tudo junto”, como se diz popularmente: “São pessoas afins”; “Elas tinham sentimentos afins”.




28. A dúvida é: Ele entrou mato a dentro ou adentro?
A resposta é: Ele entrou mato adentro.
Adentro é uma palavra só: “porta adentro, país adentro, noite adentro”. “A dentro”, escrito separadamente, não existe. Você poderia “ir para dentro”, mas não “ir a dentro”.
É bom lembrar que “entrar para dentro” não está errado, mas é uma redundância, já que ninguém pode “entrar para fora”.
Na frase “O Santos adentrou o campo de jogo”, temos o correto uso do verbo adentrar. O problema desse verbo é sua idade. Seu uso é um tanto antiquado. Hoje em dia, é melhor, dependendo do caso, substituí-lo por “entrar, ingressar ou penetrar”.

29. A dúvida é: Se caso ou acaso você viesse à reunião, poderíamos discutir o novo projeto?
A resposta é: Se acaso você viesse à reunião, poderíamos discutir o novo projeto.
Com a conjunção condicional se, só podemos usar acaso: “Se acaso você chegasse…”; “Se acaso o diretor quiser, podemos antecipar a reunião para as 10h”.
As conjunções se e caso são sinônimas. Ou usamos a conjunção se ou a conjunção caso. Ou uma ou outra: “Irei ao jogo se não chover” (=caso não chova); “Se você chegasse mais cedo…” (=Caso você chegasse mais cedo).
É possível usar acaso sem a conjunção se: “Acaso te disseram alguma coisa?”; “Isto aconteceu ao acaso”; “Ele veio por acaso”.

30. A dúvida é: Andou pelo país a fora ou afora?
A resposta é: Andou pelo país afora.
Afora, numa palavra só, significa “para o lado de fora” ou “ao longo” (tempo e espaço): “Saiu pela porta afora” (=para o lado de fora); “Estudou noite afora” (ao longo da noite = tempo); “Andou pelo país afora” (ao longo do país = espaço).
A fora, escrito separadamente, só existe em oposição a “dentro”: “De dentro a fora”.
A palavra afora também pode ser usada com o sentido de “à exceção de” ou “além de”: “Afora o diretor, todos estavam presentes na reunião” (=exceto o diretor, menos o diretor); “Compareceram todos os convocados, afora alguns curiosos” (=além de alguns curiosos).

31. A dúvida é: O governo deve tomar medidas antiinflacionárias ou anti-inflacionárias?
A resposta é: O governo deve tomar medidas anti-inflacionárias.
Segundo o Novo Acordo Ortográfico, agora é assim mesmo que se escreve: anti-inflacionárias (com hífen e com dois “is”). Com o prefixo “anti”, só usamos hífen quando a palavra seguinte começa por “h” ou “vogal igual”: anti-higiênico, anti-herói, anti-imperialista, anti-inflamatório… Se a palavra seguinte começar por qualquer outra letra, devemos escrever “tudo junto”, como se diz popularmente: antiético, antiaéreo, antivírus, antipopular, antirracista, antissocial…
Essa mesma regra se aplica ao prefixo “arqui”. Assim sendo, o correto é arquirrival, porém arqui-inimigo.

32. A dúvida é: Era uma criança mal-educada ou mal educada?
A resposta é: Era uma criança mal-educada.
O hífen é obrigatório pois se trata de um adjetivo: “Ele é um sujeitinho muito mal-educado”. Para ser adjetivo, é necessário qualificar um substantivo: mal-educada é a criança, mal-educado é o sujeitinho.
Bem e mal se tornam advérbios quando indicam o modo como alguém é educado: “A criança foi mal educada pelos pais”. Nesse caso, não há hífen. Poderíamos dizer que “a criança foi educada mal pelos pais”.
Fato semelhante ocorre com o adjetivo malcriado e o advérbio mal criado: “Era uma criança malcriada”; “A criança foi mal criada pelos pais”. A forma adverbial continua separada sem hífen. A novidade é que a forma adjetiva deve ser escrita junta, sem hífen. A regra diz que só devemos usar hífen quando o adjetivo é formado pelo elemento “mal” seguido de palavra que começa por vogal ou “h”: mal-educado, mal-agradecido, mal-intencionado, mal-humorado… Com as demais letras, salvo algumas exceções, devemos escrever “tudo junto”: malcriado, maldizer, malfalado, malquisto…

33. A dúvida é: Os decotes deixavam quase tudo amostra ou à mostra?
A resposta é: Os decotes deixavam quase tudo à mostra.
A locução “à mostra” significa “visível, patente”. As locuções adverbiais femininas devem receber o acento indicativo da crase: à toa, às claras, às pressas, à vista, à tarde, às vezes, à mão, à deriva, à beça, à tona…
Amostra pode ser o “ato ou efeito de amostrar(-se), pequena porção de alguma coisa, fragmento representativo de algo ou exemplo perfeito, completo”: “Ganhou uma amostra do perfume”; “Estes versos são uma amostra do talento do poeta”; “Ele é uma amostra notável de um grande anfitrião”.
Você sabia que mostra e amostra podem ser sinônimos? Podemos dizer “Isto é apenas uma mostra (ou uma amostra) do seu trabalho”; “Visitamos uma mostra (ou amostra) de fotografia”. E você sabia que o verbo amostrar também existe? Que é uma forma variante do verbo mostrar? Sem dúvida, a forma mais utilizada por nós é o verbo mostrar. A variante amostrar parece errada ou inexistente, mas existe e não está errada. É apenas uma forma menos usual e mais característica da linguagem popular.

34. A dúvida é: O gerente afirmou que sua empresa só trabalha com produtos comprovadamente antipoluentes ou antepoluentes?
A resposta é: O gerente afirmou que sua empresa só trabalha com produtos antipoluentes.
Os prefixos “ante” e “anti” são bem diferentes. O prefixo “ante” denota “anterioridade, precedência, o que vem antes”: antebraço, anteontem, antepenúltimo, anteprojeto, antecâmara, antemão, antediluviano, antepor… O prefixo “anti” significa “contra, em oposição a”: antiácido, antialérgico, anticaspa, anticoncepcional, anticorpo, antidepressivo, antidoping, antiético, antivírus, antipoluente…
Só devemos usar hífen após os prefixos “ante” e “anti” quando a palavra seguinte começa por “h” ou “vogal igual”: ante-histórico, anti-herói, anti-higiênico, anti-hipnótico, anti-horário, anterreal, anterrosto, antirracista, antirrepublicano, antirroubo, antirrugas, antessacristia, antessala, antissemita, antisséptico, antissocial, antissoviético…




35. A dúvida é: Ele considerou estranho ou estranha a troca?
A resposta é: Ele considerou estranha a troca.
É um caso simples de concordância nominal. O adjetivo (estranho) deve concordar em gênero e número com o substantivo (troca) ao qual se refere. Se troca é um substantivo feminino, o adjetivo deve concordar no feminino: troca estranha. O fato de haver uma inversão (=adjetivo antes do substantivo) não altera a regra: “…estranha a troca”.
Vejamos outro exemplo: “Não havia sido registrado qualquer coisa”. Está errado também. O que não havia sido registrado foi “qualquer coisa”. Se coisa é um substantivo feminino, a concordância é obrigatória: “Não havia sido registrada qualquer coisa”.

36. A dúvida é: Era a cicatrização de um problema muscular sofrida ou sofrido?
A resposta é: Era a cicatrização de um problema muscular sofrido.
Temos aqui um caso interessante de concordância nominal. O particípio “sofrido” refere-se ao problema, e não à cicatrização.
É importante lembrar que nem todas as palavras terminadas em “a” são substantivos femininos. Existem várias palavras terminadas em “a” que são masculinas: o problema, o emblema, o teorema, o telefonema, o trema, o tapa…
Na frase “Ficou com parte do corpo paralisado”, temos um erro mais sutil. É outro erro de concordância nominal. O particípio “paralisado” não se refere ao corpo, e sim à parte. Ele não ficou com o corpo paralisado, e sim com parte paralisada. O certo, portanto, é dizer que “ficou com parte do corpo paralisada”.
É o mesmo caso de “parte do lixo está sendo reaproveitada”. O que está sendo reaproveitada é parte, e não o lixo todo.

37. A dúvida é: Se aceitasse a proposta, ele receberia R$ 90 mil mensais ou mensal?
A resposta é: Se aceitasse a proposta, ele receberia R$ 90 mil mensais.
Mensal é um adjetivo, por isso deve concordar com o substantivo a que refere. No caso são R$ 90 mil (=plural), por conseguinte a concordância no plural é obrigatória: R$ 90 mil mensais.
Se fosse por dia, receberia R$90 mil diários; por semana, semanais; por ano, anuais. Poderia também ser um advérbio, caso se referisse ao verbo: “Ele vai receber mensalmente R$90 mil”.
E se ele fosse receber mil dólares de dois em dois meses? Seriam mil dólares bimensais ou bimestrais? Cuidado para não confundir bimestral com bimensal. De dois em dois meses é bimestral, e bimensal é duas vezes no mês. O mesmo ocorre com trimestral e trimensal. Quando o rendimento da caderneta de poupança era de três em três meses, o rendimento era trimestral. Trimensal é três vezes dentro do mesmo mês.

38. A dúvida é: Recebeu 4,2 milhões de dólares líquido ou líquidos?
A resposta é: Recebeu 4,2 milhões de dólares líquidos.
O problema é o uso do adjetivo líquido, que deverá ficar no plural para concordar com 4,2 milhões de dólares (=plural).
Outro erro frequente ocorre em frases do tipo “Eles transformam as pedras preciosas em dólares e depois em real.” Ora, se as pedras preciosas são transformadas em dólares, é porque não é um dólar só, são dólares no plural. Consequentemente, os dólares vão ser trocados por reais, no plural também. É uma questão de lógica. O certo, portanto, é: “Eles transformam as pedras preciosas em dólares e depois em reais”.

39. A dúvida é: Ganhou cerca de 1,5 milhões ou milhão de reais?
A resposta é: Ganhou cerca de 1,5 milhão de reais.
Cerca de 1,5 milhão de reais significa cerca de um milhão e quinhentos mil reais. Quando abreviamos R$1.500.000,00 para 1,5 milhão de reais, a casa do milhão é a que fica antes da vírgula. Observe mais exemplos: 2,1 milhões = dois milhões e cem mil; 1,3 bilhão = um bilhão e trezentos milhões; 4,1 bilhões = quatro bilhões e cem milhões.
A concordância com a palavra milhão, a princípio, deve ser feita no singular: “Um milhão compareceu à solenidade”; “Foi gasto um milhão de reais”. Quando o milhão vem acompanhado de um especificador no plural, a concordância torna-se facultativa: “Um milhão de pessoas compareceu ou compareceram à solenidade”. Existe hoje uma visível preferência pela concordância com o especificador, principalmente na voz passiva e com os verbos de ligação: “Um milhão de reais foram gastos”; “Um milhão de crianças já foram vacinadas”; “Um milhão de mulheres estão grávidas”.

40. A dúvida é: Havia muita ou muito pouca comida?
A resposta é: Havia muito pouca comida.
Para entendermos por que a palavra pouco concorda com o substantivo feminino comida (= pouca comida), e a palavra muito não se flexiona (= muito pouca), devemos dividir a explicação em duas partes: 1a) “pouca comida” – A palavra pouco, neste caso, é um pronome adjetivo indefinido porque acompanha um substantivo (= comida). Os pronomes concordam em gênero e número com o substantivo a que se referem: “pouca comida”, “muita saúde”, “poucas pessoas”, “tantos livros”, “provas bastantes”; 2a) “muito pouca comida” – A palavra muito, neste caso, é um advérbio de intensidade porque se refere ao pronome adjetivo (= pouca), e não ao substantivo.
Os advérbios não apresentam flexão de gênero e número: “muito pouca…”, “Elas estão muito satisfeitas”, “As alunas estão pouco nervosas”, “As atletas ficaram bastante emocionadas”.
E você sabe quando é que se fala menas? Nunca. Só quando se fala errado. Não existe essa possibilidade. A palavra menos é totalmente invariável. Não importa se é advérbio ou pronome. Em qualquer situação, devemos usar sempre a forma menos. São inaceitáveis frases do tipo: “Veio menas gente”, “Isso é de menas importância”, “Chutou com menas força”, “Tinha menas pessoas”, “Nosso time teve menas chances”… A palavra menos, portanto, não apresenta flexão de gênero e número. O certo é falar sempre menos: “Vieram menos pessoas”, “Isso tem menos importância”, “Chutou com menos força”, “Tivemos menos oportunidades”…




41. A dúvida é: Está fazendo zero graus ou grau?
A resposta é: Está fazendo zero grau.
Zero é singular. Da mesma forma que dizemos “zero hora”, devemos falar “zero grau”. Vamos observar as comparações: “uma hora” = “um grau” = “um real”; “duas horas” = “dois graus” = “dois reais”.
Se zero é singular, é bom tomar alguns cuidados. Um programa que vai das 22h às 24h (das vinte e duas horas às vinte e quatro horas) pode ir das 22h à 0h (das vinte e duas horas à zero hora).

42. A dúvida é: É proibido ou proibida a entrada de estranhos?
A resposta é: É proibida a entrada de estranhos.
O adjetivo, na função predicativa, deve concordar com o substantivo se estiver determinado: “É proibida a entrada de estranhos”; “A cerveja é boa”; “Não foi permitida a nossa saída”.
Se o substantivo não estiver determinado, o adjetivo não concorda, isto é, fica no masculino singular: “É proibido entrada de estranhos”; “Cerveja é bom”; “Não é permitido saída a qualquer hora”.
Observe a diferença: “Aqui nesta sala muita gente não é bom” e “Aqui nesta sala muita gente não é boa”. No primeiro caso, o sentido genérico: estamos nos referindo ao excesso de pessoas na sala. No segundo exemplo, estamos afirmando que há muitas pessoas na sala que não são boas.

43. A dúvida é: Anexo ou anexas seguem as notas fiscais?
A resposta é: Anexas seguem as notas fiscais.
Anexo e anexado são formas adjetivas; devem, por isso, concordar: “O documento segue anexo”; “Os documentos seguem anexos”; “Os documentos foram anexados”; “Anexa vai a nota fiscal”; “Anexas vão as notas fiscais”…
Em vez de anexo, podemos usar a forma “em anexo”. O significado é o mesmo; a diferença é que “em anexo” é uma forma invariável. Assim sendo, não concorda: “Em anexo, seguem as notas fiscais”.

44. A dúvida é: Incluso ou inclusas seguem as notas fiscais?
A resposta é: Inclusas seguem as notas fiscais.
Incluso é uma forma adjetiva. Deve obrigatoriamente concordar com o substantivo a que se refere: “A planilha está inclusa”; “Inclusos seguem os comprovantes”.
Não devemos confundir incluso com incluído. Incluso é adjetivo, e incluído é a forma do particípio. Usamos incluído na formação da voz passiva e dos tempos compostos: “O atacante foi incluído na lista dos convocados”; “O diretor tinha incluído a sua sugestão na nossa lista de prioridades”.

45. A dúvida é: Elas moravam muito próximas ou próximo de nós?
A resposta é: Elas moravam muito próximo de nós.
A locução próximo de, quando significa “perto de”, é invariável: “Elas moravam muito próximo de nós” (=perto de nós); “Ela se sentou próximo do pai” (=perto do pai); “Próximo da ponte havia duas casas” (=perto da ponte).
Observe que os verbos não são de ligação: morar, sentar-se, haver.
A palavra próximo só concorda quando é adjetivo: “Eram pessoas muito próximas”; “Os primos ficaram mais próximos de nós”; “A casa era próxima da outra”.
Observe que agora os verbos são de ligação: ficar, ser.
“Ele morava próximo da ponte ou próximo à ponte”? Tanto faz. No sentido de “perto de”, podemos usar as locuções “próximo de” ou “próximo a”. As duas formas estão corretas.

46. A dúvida é: Os guardas vigiavam alertas ou alerta o portão principal?
A resposta é: Os guardas vigiavam alerta o portão principal.
O correto é “vigiavam alerta”, porque se trata de um advérbio, é o modo como os guardas vigiavam o portão principal. É importante lembrar que os advérbios são palavras invariáveis.
A palavra alerta se flexiona, ou seja, vai para o plural, quando exerce uma função adjetiva (=sinônimo de “atento”): “Eram guardas alertas” (=atentos).
O substantivo alerta, sinônimo de “aviso”, também se flexiona: “Os sentinelas deram vários alertas”.

47. A dúvida é: Na sua última coleção de inverno, predominavam os tons pastéis ou pastel?
A resposta é: Na sua última coleção de inverno, predominavam os tons pastel.
Embora a flexão seja aceita por alguns autores, devemos respeitar a tradicional regra que manda todo substantivo, na função de um adjetivo, ficar na forma neutra, ou seja, sem flexão de gênero e de número: “casacos vinho”; “sapatos areia”; “blusas gelo”; “manifestações monstro”…
Assim sendo, o correto é “camisas rosa”. O curioso é que esta regra também vale para os adjetivos compostos em que o segundo elemento é um substantivo: “camisas azul-piscina”; “calças verde-garrafa”; “blusas azul-céu”; “uniformes verde-oliva”…

48. A dúvida é: As polícias ou a polícia civil e militar foram chamadas?
A resposta é: As polícias civil e militar foram chamadas.
Quando um substantivo é seguido de dois ou mais adjetivos, temos duas opções: ou pomos o substantivo no plural ou deixamos o substantivo no singular e repetimos o artigo. Assim sendo, é correto dizer “as polícias civil e militar” ou “a polícia civil e a militar”.
Podemos dizer que foram hasteadas “as bandeiras brasileira, argentina e uruguaia” ou “a bandeira brasileira, a argentina e a uruguaia”.
Podemos aplicar regra semelhante com os numerais: “primeiro e segundo graus” ou “no primeiro e no segundo grau”; “quinto e sexto andares” ou “no quinto e no sexto andar”; “sétima e oitava séries” ou “a sétima e a oitava série”.



Nenhum comentário:

Postar um comentário





Palavras mais buscadas no site:

Trabalhos Escolares Trabalho Escolar Biologia Português Matéria Português Rede Social Dicas de Português História Língua Portuguesa ZOOLOGIA Facebook Memes Trolls Geografia Memes Zuando muito no face Trollando Memes para facebook Escrevendo em redes sociais Dúvidas de Português Educação Física Concursos Públicos Gramática Esportes Concursos Dicas de Concursos Públicos Biografia Química O que é a língua portuguesa Física Questões para Concursos Geologia Informática Questões Enfermagem Geofísica Enem Cartaz Cartazes Manifestações TI Tecnologia Blocos Econômicos e Organizações Internacionais Arte Artes GENÉTICA Sociologia PROUNI SISU Concordância Biografias Dicas Diversos ECOLOGIA Faculdade Universidade Vestibular Matemática Simulado Atualidades Civilizações Protesto CAFTA Seu Trabalho Ortografia QUESTÕES DE Português com Gabarito Literatura Crase Computadores analógicos Curiosidades Esqui Aquático Gramática. História da computação História do hardware Redação Índio EVOLUÇÃO QUESTÕES de Matemática com Gabarito Indígena Resumo Uso da Crase - quando há (ou não) crase Geometria Analítica Livro Plural RACIOCÍNIO LÓGICO Artigos 196 a 200 da Constituição Federal Grafia Hífen Lei n° 8.142 Lei nº 8.080 Organização e Funcionamento do SUS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO Com Gabarito Sistema Único de Saúde Autores Geometria Homônimos Parônimos Tecnologia da Informação Uso da vírgula Construções Geométricas Educação Resumos Vírgula Anita Garibaldi Equação da reta Questão de Concurso Reciclagem Sinônimos Verbos Vocativo Aleijadinho Aluísio Azevedo Aposto Avaliação Carta Comunidade Andina Dicionário Emprego Energia Estudar Fast Estudo Analítico do Ponto Estudo da Reta Exercícios Fernando Pessoa Formas variadas de linguagem Futebol Gauchês Ginástica História da Idade Média Idade Média Identidade Imagens para Facebook Inclinação da reta Lei Lei federal Nitrogênio Ortográfico Pedagogia Polo aquático Precisão e adequação vocabular Pronomes Psicologia Publicidade Reforma ortográfica Saúde Significados Tênis de Mesa Uso de por que Verbo Vocabulário por quê porque e porquê Ângulo de inclinação da reta 99 : Salário baixo e injustiça A Estrutura Curricular da Disciplina De Educação Física A Grande Influência da Lua em Nossas Vidas. A guerra civil gaúcha A participação do México no Nafta ACENTUAÇÃO ACENTUAÇÃO GRÁFICA ANARQUIA ASEAN Abandono Acentos Adolf Hitler Advérbios Afonso Pena AlCA x ALBA Alca Alfabeto Alfred Wegener Anatomia comparada Apec Apostila Apostila Concurso Professor Apostila PEB ll Arte Barroca Arte Rupestre Artesanato Arthur Aguiar Artigos Assíria Asteca Astrolábio Atletismo Até onde a Lua influencia a nossa vida? Automação Babilônia Badminton Balonismo Barack Obama Barão de Mauá Barão do Rio Branco Basquetebol Beisebol Benito Mussolini Benjamin Constant Bilhete Biodiversidade Biogeografia Biologia molecular Boxe Brasil - Eleições 2006 CEI – Comunidade dos Estados Independentes CLIMA Cabo de Guerra Caminhada Cana-de-açúcar Capoeira Caratê Caricom Carlos Chagas Carlos Drummond de Andrade Carta Argumentativa Carta comercial Carta de Reclamação Carta de informação Carta de solicitação Carta do leitor Cartaginês Cartão-postal Carvão mineral Casal Castro Alves Celta Charles Chaplin Chico Buarque de Holanda Chinesa - Civilizações Ciclismo Circunferência Clarice Lispector Classificação dos blocos econômicos Claude Debussy Comemoração em outros Países Comparativo entre C e java Comunidade Britânica Comunidade Sul-Americana de Nações Conceito Conceitos Concretismo Consciência Convite Copa 2014 Coreia do Norte e a Coreia do Sul Corrida Crise na Tunísia Cruzadas Crítica DEFENSIVOS AGRÍCOLAS DENSIDADE DESENHO DESMATAMENTO DESTAQUES NO MUNDO DOMESTICAÇÃO Dança Data Comemorativa Data Mining Data Warehouse Decreto nº 7.508 Descrição Desflorestamento Desrespeito com o professor Dia das Mães Dia do Descobrimento do Brasil - 22 de Abril Dicionário Web Direito Administrativo Dom Pedro I Duque de Caxias E-mail ESPÉCIES EM EXTINÇÃO EXPRESSIONISMO Educação no Brasil Educação nota 10 Egípcia Eleição de Dilma Rousseff Energia Solar Enunciação e contexto Escalada Escultura Esgrima Esporte Estrangeirismo Estrangeirismos Estudar é para os fortes Estudo da Circunferência Euclides Evolução da Tecnologia da Informação Exemplos de Textos do Cotidiano Expedições medievais realizadas em nome de Deus FIES FOTOSSÍNTESE Falsos Sinônimos Falta de Vagas Fauna Fenícia Feriados Feudalismo Figuras de estilo Filogenia Filogeografia Filosofia Fisiologia Flora Fly Fishing Formação de blocos econômicos Força de Floriano Fracasso da Alca Francesa Frases em imagens Frescobol Futebol americano Futurismo Fórmula 1 G 20 Financeiro GEO1M1 GEO2M2 Geometria Euclidiana Germânica Geógrafo Geólogo Ginástica Artística Ginástica de trampolim Globalização Glossário Web Golfe Golfo Pérsico Gonçalves Dias Governo x Educação Graciliano Ramos Grafite Grega Grego Grigori Perelman Guerra Guerra Civil Americana Guerra de Secessão Guia Prático Gêneros textuais argumentativos Gêneros textuais do cotidiano Gêneros textuais do universo jornalístico HISTiatÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA ARTE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃ Heitor Villa-Lobos Hidroginástica História do Futebol História em quadrinhos Homero Homo sapiens Homônimas e Parônimas Hóquei IMPRESSIONISMO Idade Antiga Idade Contemporânea Idade Moderna Importância da mulher na sociedade Inca Indiana Indigena Individualismo Industrialização da China Industrialização e Urbanização Indígena no Brasil Indígenas Inglesa Inglês Ingresso Tardio Inscrições Integração da Venezuela ao Mercosul James Watt Japonesa Jet Ski Jiu Jitsu Jogo de Queimada Jogos Olímpicos Pequim 2008 John Fitzgerald Kennedy José de Alencar Judô Karl Marx Kung-Fu Lima Barreto Linguagem e comunicação Localização do Golfo Pérsico Luiz Gonzaga MEIO AMBIENTE MIGRAÇÕES ANIMAIS MMA Mixed Martial Arts Madeira Mahatma Gandhi Maia Mamíferos Manguezal Medicina Memórias de Computadores Mercosul Mercosul: Países Integrantes Mercúrio (planeta) Mergulho Mesóclise Minas Gerais Missão Científica Espacial Brasileira Mix Útil Modelos de Processadores Modismos Monarquia Monteiro Lobato Moralismo Morfologia Mundo Summary Musculação Médicos Nado Sincronizado Natação Neologismo Neologismos O milênio da mulher O que é Educação Física? OEA OLAP OMC ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SUS - LEI 8080/90 E 8142/90 ORIGAMI Op-art Opep Opinião Os livros são um oceano infinito de conhecimento PEB ll POLUIÇÃO Paleontologia Parkour Pedro Bandeira Pedro Álvares Cabral Pensamentos Persa Perímetros Pesquisa Pessoa Piaget Pintura Placa tectônica Planejamento e Gerência de Projeto de Software Planície Pleonasmo Pontuação Pop Art Portugal Povos indígenas Presidentes da República do Brasil Primavera Árabe Princesa Isabel Professor Professor trollando aluno que não estuda Pronomes átonos Prosa Naturalista Prova Pré-História Próclise QUALIDADE DE VIDA QUESTÕES DE Português Acentuação Com Gabarito QUESTÕES DE Português Crase com Gabarito Questão do Mensalão Questões de Português Ortografia com Gabarito R$9 RENASCIMENTO RESPONSABILIDADE SOCIAL ROCOCÓ Racismo Ranking Mundial de Educação Rapa-Nui Rebelião Popular Rede municipal de saúde Redundância Relacionamento Remo Repetência Reservas indígenas no Brasil Respeite o Professor Respostas Resumo de Livro Revolta da Armada Revolta da Vacina Revolta na Líbia Revolta no Egito Revolução Federalista Revolução Francesa Robô Romana Romero Britto Russa SADC Saltos Ornamentais Semânticas Seriados Sintaxe Sismo Sistema Operacional Sistemática Skate Squash Subjuntivo Suméria Surfe Tabelas Cruzadas e DrillDown Taekwondo Teatro Terremoto Texto instrucional (injuntivo) The Vampire Diaries Tigres Asiáticos Tipos de Frase Triathlon Turca Turfe Tênis Unasul União Europeia União Européia Urbanização da China Urânio Uso do Hífen (Novo Acordo Ortográfico) Verbo Auxiliar Verbos Abundantes Verbos Anômalos Verbos Defectivos Verbos Regulares e Irregulares Verbos Transitivos Verbos de Ligação Verdades e mentiras sobre o conflito das Coreias Vida de professo Viking Voleibol Voleibol de Praia Volumes Water Bike Xadrez Xenofobia Xilogravura Zuando na escola 2013 dúvida léxico regionalismo saúde no Brasil tempo verbal toma dicionário na cara variante linguística Árabe - Civilizações Áreas Ângulos Ênclise