APICULTURA - História - O manejo das abelhas - Doenças e inimigos das abelhas - Biologia, ZOOLOGIA, Trabalho Escolar.


APICULTURA


Acredita-se que o mel tenha sido um dos muitos produtos que o homem pré-histórico coletava para sua alimentação. Durante muito tempo o mel foi um dos poucos alimentos açucarados naturais à disposição da humanidade.
Apicultura é o ramo da agricultura que estuda as abelhas produtoras de mel e as técnicas para explorá-las convenientemente em benefício do homem.


História. Na Europa, África e Ásia há relatos e desenhos que permitem inferir que as abelhas já eram exploradas pelo homem há mais de cinqüenta mil anos. Possivelmente foram os egípcios os primeiros apicultores de que se tem notícia. O advento da apicultura moderna, todavia, ocorreu em 1851, quando o americano Lorenzo Lorraine Langstroth inventou a colméia racional, hoje chamada colméia Langstroth ou colméia americana.
Segundo o zoólogo brasileiro Paulo Nogueira Neto, as abelhas da espécie Apis mellifera foram introduzidas no Brasil pelo padre Antônio Carneiro Aureliano, em março de 1839, mandadas vir do Porto, Portugal.


Sexo, castas, reprodução. Ao contrário de outros animais domésticos, onde se distinguem apenas machos e fêmeas, nas abelhas observam-se três tipos de indivíduos: rainhas, operárias e zangões ou machos. Tanto as rainhas como as operárias são fêmeas; as primeiras costumam ser estéreis, enquanto as rainhas constituem a casta fértil, cuja função única é pôr ovos. Em épocas de muito néctar e pólen, uma rainha de abelha africana chega a pôr cinco mil ovos diários; todavia, quando há poucas flores, a postura se reduz a cem ou 200 ovos por dia.
A casta mais numerosa é constituída pelas operárias, que são fêmeas pequenas, com desenvolvimento incompleto do aparelho reprodutor,  responsáveis por todos os trabalhos executados na colméia. Os zangões, após alguns dias de vida, voam ao redor da colméia durante algumas horas por dia, aguardando a oportunidade de executarem sua única função, que é fecundar a rainha.
Para entender a formação dessas três castas, convém seguir o que acontece numa colméia que está sem rainha, mas possui uma célula real ou realeira de onde está prestes a eclodir nova rainha. Nas primeiras dez horas após o nascimento da rainha, as operárias pouca atenção lhe dão. Daí em diante, porém, passam a ocupar-se dela, alimentando-a e lambendo-a constantemente. Pelo quarto ou quinto dia, as operárias começam a ficar inquietas e, se a rainha não sair da colméia, empurram-na para fora, obrigando-a a sair para o vôo nupcial. A rainha pode voar até 13km de distância à procura de zangões e estes podem voar até quatro quilômetros à procura da rainha.
Normalmente, a rainha acasala-se com 5 a 12 zangões do próprio apiário ou de suas redondezas, dentro de um raio de 200 a 500m. Se, porém, no primeiro vôo ela não ficar completamente inseminada, poderá fazer mais dois ou três vôos nupciais. Durante um período de 10 a 24 horas depois que a rainha volta à colméia, os espermatozóides que foram ejaculados no oviduto da rainha, em número de setenta a oitenta milhões, começam a migrar para a espermateca, onde cinco a dez milhões podem ficar armazenados por vários anos, havendo casos relatados de até cinco anos. As rainhas, em clima brasileiro, vivem uma média de dois anos.
Quatro a dez dias depois do vôo nupcial, a rainha começa a pôr ovos de dois tipos: fecundados e não fecundados. Os ovos não fecundados permanecem em alvéolos grandes e os fecundados, em alvéolos pequenos.
Acredita-se que, num alvéolo pequeno, o abdome da rainha entre comprimido, o que a obriga a apertar a espermateca, que esguicha de dez a vinte espermatozóides, os quais penetram no óvulo que for passando pelo oviduto. Um desses espermatozóides irá fundir-se com o núcleo do óvulo e este, fecundado, dará origem a uma fêmea, que será operária ou rainha, conforme a alimentação que vier a receber.
Se, no entanto, a rainha puser ovos em alvéolos grandes, não comprimirá a espermateca, não fecundará os ovos, e esses vão desenvolver-se em machos, ou seja, zangões. Por muito tempo (de três meses a cinco anos, porém, em média, durante nove meses), a rainha continua a receber alimento das operárias e a pôr ovos __ muitos, quando recebe bastante comida, poucos, quando recebe pouca.
As operárias constantemente lambem a rainha, para sugar uma certa substância, produzida pelas glândulas mandibulares da rainha, chamada substância de rainha. Pouco a pouco essa substância é distribuída por todo o enxame, cabendo apenas um pouquinho para cada abelha. A substância inibe os ovários da operária e promove uma estabilidade social.
Quando a rainha fica velha, começa a secretar pouca substância de rainha. A falta dessa substância vai atuar sobre todas as operárias, fazendo-as produzir mais geléia real, que, dada em grandes quantidades a uma ou mais larvinhas, transformam-nas em rainhas virgens. Todas as larvinhas recebem geléia real desde a eclosão até o terceiro dia, porém, daí em diante, passam a receber mel e pólen e se tornam operárias; algumas, entretanto, continuam a comer geléia real até o sexto dia de vida larvar e se transformam em rainhas.
As abelhas são extremamente suscetíveis ao efeito da consangüinidade, que determina acentuada queda de produção. Por isso, o apicultor não deve criar rainhas a partir de uma só colônia, e sim, selecionar, no mínimo, suas vinte melhores colônias e retirar, de dez delas, as larvas que irão transformar-se em rainhas. As dez outras colônias selecionadas devem ser providas de quadros com células grandes, onde a rainha botará ovos não fecundados, que darão zangões. Isso é muito importante porque cada colônia produz rainhas virgens, em média, duas vezes por ano. Se não houver um grande número de zangões selecionados para fecundá-las, o apicultor perderá todo o trabalho de seleção.
Localização e instalação de um apiário. A escolha do local apropriado para montar um apiário está intimamente ligada à flora apícola. Não é conveniente instalar um apiário em cafezais, laranjais, plantações de eucalipto ou de cana-de-açúcar, pois essas plantas não favorecem a produção de mel ou só o fazem em épocas muito restritas do ano. Além disso, deve-se escolher um local em cujas proximidades exista água, de maneira que as abelhas não tenham de voar mais de 500m para coletar água. Caso isso não seja possível, convém instalar dentro do apiário uma fonte de água. Especialmente no sul do país, o apiário deve ser instalado em lugar que possua proteção contra o vento sulino, que é muito frio. Os direitos dos vizinhos devem ser resguardados. Por isso nunca se deve colocar apiários a menos de cem metros de residências ou de lugares onde são guardados animais. As colméias tanto podem ser colocadas sob a proteção de ranchos, como em lugares abertos. No Brasil, poucos apicultores profissionais se utilizam de ranchos para a instalação de seus apiários.
As entradas das colméias devem ficar viradas para lugares diferentes no apiário. Por exemplo, cada grupo de quatro colméias deve ficar com a boca voltada para um dos lados de um quadrado hipotético. É conveniente pintar as entradas das colméias com cores diferentes, escolhidas entre as que a abelha enxerga, quais sejam: azul, azul-esverdeado, verde, amarelo, branco e preto.


O manejo das abelhas. É importante que o apicultor novato monte seu apiário com poucas colméias (de vinte a trinta) e vá aumentando esse número anualmente, até chegar a 400, que é o número de colméias com que um apicultor jovem e forte pode lidar, dedicando-se em tempo integral à apicultura, sem necessidade de empregados fixos.
São necessários alguns apetrechos para lidar com as abelhas: véu-de-apicultor, fole ou fumigador, espátula ou formão de apicultor, luvas, escovas de pêlos macios e vestuário adequado. As principais tarefas são: examinar a postura, evitar a enxameação, fazer a alimentação artificial, evitar pilhagem, coletar enxames e proceder à extração do mel.
A extração do mel se faz em cinco etapas, a primeira das quais é a retirada dos favos da colméia. Para isso há vários métodos, que devem ser adequados ao tipo de apicultura em causa: apicultura intensiva, profissional ou amadora. A segunda operação é a desoperculação, ou seja, a retirada dos opérculos dos favos cheios de mel. Isso é feito com máquinas especiais na apicultura intensiva, mas também se consegue usando-se facas quentes ou garfos, na apicultura amadora. Em terceiro lugar, vem a centrifugação, que exige a utilização de uma centrífuga, cuja capacidade de quadros varia de dois a mais de 500, conforme o tipo de apicultura.
A quarta operação é a separação dos opérculos contidos no mel. Isso se faz, geralmente, por gravidade, utilizando-se a própria centrífuga usada na extração de mel dos favos. Os opérculos utilizados para produzir cera dão, geralmente, uma cera branca, muito bonita. A quinta operação é a filtração do mel, que leva às vezes pedacinhos de cera, partículas de pólen e outras impurezas.
Outro aspecto importante na lida com as abelhas é a produção de rainhas e de geléia real (a técnica, em ambos os casos, é a mesma). Os passos para a produção de rainhas são os seguintes: seleção das colméias, das quais surgirão as larvinhas; preparo de cúpulas reais de cera, no laboratório; preparo da colméia de "recria", onde vão ser introduzidas as realeiras enxertadas; a própria operação de enxertia, e o preparo de núcleos de fecundação, onde vão ser introduzidas as realeiras, ou o uso de uma estufa onde se dará o nascimento das rainhas, dentro de frascos de vinte a quarenta centímetros cúbicos de capacidade, como os de penicilina. Se o objetivo é obter geléia real em lugar de rainhas, então jogam-se fora as larvas após 72 horas e coleta-se a geléia.
Chama-se enxertia a operação de retirada de larvinhas recém-eclodidas dos alvéolos de operárias e sua colocação em cúpulas reais artificiais, que devem ter, no fundo, uma gotinha de geléia real. Usa-se uma agulha especial para executar esse serviço, que é bastante delicado. As larvas devem ser colhidas com cuidado, para evitar o rompimento de sua delicada pele. Uma vez retiradas dos alvéolos, as larvas são colocadas sobre a geléia real. Essa operação de enxertia deve ser feita em uma sala com temperatura não inferior a 20 C.
Logo após a enxertia, a barra contendo 15 a 25 dessas realeiras artificiais é colocada numa colméia, onde as larvinhas serão alimentadas por seis dias. Após o décimo dia no laboratório retiram-se essas realeiras dos quadros e enfiam-se cinco milímetros de suas pontas em pequenos vidrinhos que contêm, no fundo, um pouco de serragem grossa e uma bolinha de cândi para a rainha alimentar-se assim que nascer. Depois a rainha recém-nascida será transferida para uma realeira, que será usada para a inseminação artificial ou para qualquer outro fim.
Doenças e inimigos das abelhas. As principais doenças das abelhas, no Brasil, são: (1) cria-pútrida-européia, causada pelo Bacillus pluton e, secundariamente, pelos Bacterium euridice, Bacillus alvei e Streptococus fecalis; (2) nosemose, causada pela Nosema apis, que vive na parede estomacal das abelhas e interfere na digestão e fisiologia; (3) cria ensacada, causada por vírus, razoavelmente bem estudado nos Estados Unidos; (4) mortandade-de-outono, causada por vírus, especialmente na região centro do estado de São Paulo; (5) septicemia, causada por bactérias infecciosas, usualmente transmitidas de uma rainha a outra, através do aparelho de inseminação artificial; é uma das principais razões pela qual convém desinfetar o aparelho de inseminação ao passar para outra rainha.
Os principais inimigos das abelhas são a irara ou papa-mel (Tayra barbara), as formigas (sara-sara, correição, quem-quem), as traças (Galleria mellonella), os percevejos (Apiomerus), as mosquinhas (Phorideos), algumas aves, alguns lagartos. Os agentes tóxicos que afetam as abelhas são os inseticidas, os fungicidas e os herbicidas. Os inseticidas de alta periculosidade para as abelhas são: Aldrin, BHC, DDT e os inseticidas arseniacais. Os fungicidas em geral são pouco tóxicos às abelhas, o que torna um tanto perigosa a aplicação de compostos mercuriais às flores.

Nenhum comentário:

Postar um comentário





Palavras mais buscadas no site:

Trabalhos Escolares Trabalho Escolar Biologia Português Matéria Português Rede Social Dicas de Português História Língua Portuguesa ZOOLOGIA Facebook Memes Trolls Geografia Memes Zuando muito no face Trollando Memes para facebook Escrevendo em redes sociais Dúvidas de Português Educação Física Concursos Públicos Gramática Esportes Concursos Dicas de Concursos Públicos Biografia Química O que é a língua portuguesa Física Questões para Concursos Geologia Informática Questões Enfermagem Geofísica Enem Cartaz Cartazes Manifestações TI Tecnologia Blocos Econômicos e Organizações Internacionais Arte Artes GENÉTICA Sociologia PROUNI SISU Concordância Biografias Dicas Diversos ECOLOGIA Faculdade Universidade Vestibular Matemática Simulado Atualidades Civilizações Protesto CAFTA Seu Trabalho Ortografia QUESTÕES DE Português com Gabarito Literatura Crase Computadores analógicos Curiosidades Esqui Aquático Gramática. História da computação História do hardware Redação Índio EVOLUÇÃO QUESTÕES de Matemática com Gabarito Indígena Resumo Uso da Crase - quando há (ou não) crase Geometria Analítica Livro Plural RACIOCÍNIO LÓGICO Artigos 196 a 200 da Constituição Federal Grafia Hífen Lei n° 8.142 Lei nº 8.080 Organização e Funcionamento do SUS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO Com Gabarito Sistema Único de Saúde Autores Geometria Homônimos Parônimos Tecnologia da Informação Uso da vírgula Construções Geométricas Educação Resumos Vírgula Anita Garibaldi Equação da reta Questão de Concurso Reciclagem Sinônimos Verbos Vocativo Aleijadinho Aluísio Azevedo Aposto Avaliação Carta Comunidade Andina Dicionário Emprego Energia Estudar Fast Estudo Analítico do Ponto Estudo da Reta Exercícios Fernando Pessoa Formas variadas de linguagem Futebol Gauchês Ginástica História da Idade Média Idade Média Identidade Imagens para Facebook Inclinação da reta Lei Lei federal Nitrogênio Ortográfico Pedagogia Polo aquático Precisão e adequação vocabular Pronomes Psicologia Publicidade Reforma ortográfica Saúde Significados Tênis de Mesa Uso de por que Verbo Vocabulário por quê porque e porquê Ângulo de inclinação da reta 99 : Salário baixo e injustiça A Estrutura Curricular da Disciplina De Educação Física A Grande Influência da Lua em Nossas Vidas. A guerra civil gaúcha A participação do México no Nafta ACENTUAÇÃO ACENTUAÇÃO GRÁFICA ANARQUIA ASEAN Abandono Acentos Adolf Hitler Advérbios Afonso Pena AlCA x ALBA Alca Alfabeto Alfred Wegener Anatomia comparada Apec Apostila Apostila Concurso Professor Apostila PEB ll Arte Barroca Arte Rupestre Artesanato Arthur Aguiar Artigos Assíria Asteca Astrolábio Atletismo Até onde a Lua influencia a nossa vida? Automação Babilônia Badminton Balonismo Barack Obama Barão de Mauá Barão do Rio Branco Basquetebol Beisebol Benito Mussolini Benjamin Constant Bilhete Biodiversidade Biogeografia Biologia molecular Boxe Brasil - Eleições 2006 CEI – Comunidade dos Estados Independentes CLIMA Cabo de Guerra Caminhada Cana-de-açúcar Capoeira Caratê Caricom Carlos Chagas Carlos Drummond de Andrade Carta Argumentativa Carta comercial Carta de Reclamação Carta de informação Carta de solicitação Carta do leitor Cartaginês Cartão-postal Carvão mineral Casal Castro Alves Celta Charles Chaplin Chico Buarque de Holanda Chinesa - Civilizações Ciclismo Circunferência Clarice Lispector Classificação dos blocos econômicos Claude Debussy Comemoração em outros Países Comparativo entre C e java Comunidade Britânica Comunidade Sul-Americana de Nações Conceito Conceitos Concretismo Consciência Convite Copa 2014 Coreia do Norte e a Coreia do Sul Corrida Crise na Tunísia Cruzadas Crítica DEFENSIVOS AGRÍCOLAS DENSIDADE DESENHO DESMATAMENTO DESTAQUES NO MUNDO DOMESTICAÇÃO Dança Data Comemorativa Data Mining Data Warehouse Decreto nº 7.508 Descrição Desflorestamento Desrespeito com o professor Dia das Mães Dia do Descobrimento do Brasil - 22 de Abril Dicionário Web Direito Administrativo Dom Pedro I Duque de Caxias E-mail ESPÉCIES EM EXTINÇÃO EXPRESSIONISMO Educação no Brasil Educação nota 10 Egípcia Eleição de Dilma Rousseff Energia Solar Enunciação e contexto Escalada Escultura Esgrima Esporte Estrangeirismo Estrangeirismos Estudar é para os fortes Estudo da Circunferência Euclides Evolução da Tecnologia da Informação Exemplos de Textos do Cotidiano Expedições medievais realizadas em nome de Deus FIES FOTOSSÍNTESE Falsos Sinônimos Falta de Vagas Fauna Fenícia Feriados Feudalismo Figuras de estilo Filogenia Filogeografia Filosofia Fisiologia Flora Fly Fishing Formação de blocos econômicos Força de Floriano Fracasso da Alca Francesa Frases em imagens Frescobol Futebol americano Futurismo Fórmula 1 G 20 Financeiro GEO1M1 GEO2M2 Geometria Euclidiana Germânica Geógrafo Geólogo Ginástica Artística Ginástica de trampolim Globalização Glossário Web Golfe Golfo Pérsico Gonçalves Dias Governo x Educação Graciliano Ramos Grafite Grega Grego Grigori Perelman Guerra Guerra Civil Americana Guerra de Secessão Guia Prático Gêneros textuais argumentativos Gêneros textuais do cotidiano Gêneros textuais do universo jornalístico HISTiatÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA ARTE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃ Heitor Villa-Lobos Hidroginástica História do Futebol História em quadrinhos Homero Homo sapiens Homônimas e Parônimas Hóquei IMPRESSIONISMO Idade Antiga Idade Contemporânea Idade Moderna Importância da mulher na sociedade Inca Indiana Indigena Individualismo Industrialização da China Industrialização e Urbanização Indígena no Brasil Indígenas Inglesa Inglês Ingresso Tardio Inscrições Integração da Venezuela ao Mercosul James Watt Japonesa Jet Ski Jiu Jitsu Jogo de Queimada Jogos Olímpicos Pequim 2008 John Fitzgerald Kennedy José de Alencar Judô Karl Marx Kung-Fu Lima Barreto Linguagem e comunicação Localização do Golfo Pérsico Luiz Gonzaga MEIO AMBIENTE MIGRAÇÕES ANIMAIS MMA Mixed Martial Arts Madeira Mahatma Gandhi Maia Mamíferos Manguezal Medicina Memórias de Computadores Mercosul Mercosul: Países Integrantes Mercúrio (planeta) Mergulho Mesóclise Minas Gerais Missão Científica Espacial Brasileira Mix Útil Modelos de Processadores Modismos Monarquia Monteiro Lobato Moralismo Morfologia Mundo Summary Musculação Médicos Nado Sincronizado Natação Neologismo Neologismos O milênio da mulher O que é Educação Física? OEA OLAP OMC ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SUS - LEI 8080/90 E 8142/90 ORIGAMI Op-art Opep Opinião Os livros são um oceano infinito de conhecimento PEB ll POLUIÇÃO Paleontologia Parkour Pedro Bandeira Pedro Álvares Cabral Pensamentos Persa Perímetros Pesquisa Pessoa Piaget Pintura Placa tectônica Planejamento e Gerência de Projeto de Software Planície Pleonasmo Pontuação Pop Art Portugal Povos indígenas Presidentes da República do Brasil Primavera Árabe Princesa Isabel Professor Professor trollando aluno que não estuda Pronomes átonos Prosa Naturalista Prova Pré-História Próclise QUALIDADE DE VIDA QUESTÕES DE Português Acentuação Com Gabarito QUESTÕES DE Português Crase com Gabarito Questão do Mensalão Questões de Português Ortografia com Gabarito R$9 RENASCIMENTO RESPONSABILIDADE SOCIAL ROCOCÓ Racismo Ranking Mundial de Educação Rapa-Nui Rebelião Popular Rede municipal de saúde Redundância Relacionamento Remo Repetência Reservas indígenas no Brasil Respeite o Professor Respostas Resumo de Livro Revolta da Armada Revolta da Vacina Revolta na Líbia Revolta no Egito Revolução Federalista Revolução Francesa Robô Romana Romero Britto Russa SADC Saltos Ornamentais Semânticas Seriados Sintaxe Sismo Sistema Operacional Sistemática Skate Squash Subjuntivo Suméria Surfe Tabelas Cruzadas e DrillDown Taekwondo Teatro Terremoto Texto instrucional (injuntivo) The Vampire Diaries Tigres Asiáticos Tipos de Frase Triathlon Turca Turfe Tênis Unasul União Europeia União Européia Urbanização da China Urânio Uso do Hífen (Novo Acordo Ortográfico) Verbo Auxiliar Verbos Abundantes Verbos Anômalos Verbos Defectivos Verbos Regulares e Irregulares Verbos Transitivos Verbos de Ligação Verdades e mentiras sobre o conflito das Coreias Vida de professo Viking Voleibol Voleibol de Praia Volumes Water Bike Xadrez Xenofobia Xilogravura Zuando na escola 2013 dúvida léxico regionalismo saúde no Brasil tempo verbal toma dicionário na cara variante linguística Árabe - Civilizações Áreas Ângulos Ênclise