MOVIMENTO ESTUDANTIL


VOLTA À CENA E PROTESTA CONTRA POLÍTICA DO GOVERNO

Trabalho enviado por:
Stela Mary

    Recentemente teve início uma greve de professores e servidores nas Universidades Federais brasileiras que mobilizou a princípio alguns grupos, mas logo recebeu a adesão de toda a categoria, inclusive com o respaldo estudantil. Os estudantes ficaram do lado dos professores que estão sem aumento há mais de três anos e apoiaram a greve, incluindo na pauta de reivindicações  a defesa do ensino público contra a privatização.

    Desde o Impeachement do presidente Fernando Collor, os estudantes parecem ter perdido a motivação. Eles já não são tantos nas ruas a protestarem contra os descaminhos da política brasileira. A mobilização hoje é bem menor do que durante o episódio do impeachement e muito inferior às multidões da década de 60. Por que não há uma postura mais combativa em relação à política de Fernando Henrique Cardoso, já que os próprios integrantes do movimento estudantil afirmam ser a continuação da política do outro Fernando? Quais as razões para os jovens em geral estarem desmotivados a lutar pelas causas sociais?

    Na opinião dos críticos do movimento não há um posicionamento firme e organizado por parte do setor estudantil e isso implica dizer que a categoria possa estar passando por uma fase de estagnação. Mas essa fase nunca foi tão longa, pois se observarmos a história do movimento estudantil, em outros tempos houve períodos de relativa paralisia dos jovens em relação à política mas, apenas, relativa.

    Líderes do movimento rebatem às críticas afirmando que apesar de haver uma desarticulação em alguns grupos, os estudantes não estão em estado de paralisia. "Estamos nos reorganizando aos poucos. Aqui em Recife, por exemplo, estamos realizando atividades visando o engajamento dos jovens em campanhas como a do voto aos 16, e a campanha pelo primeiro emprego, sem contar com a nossa principal bandeira que é a luta pelo ensino público de qualidade nas escolas e universidades", assegura o presidente da União Metropolitana dos Estudantes Secundaristas (UMES), Isaac Araújo. Estudante do curso de biblioteconomia da UFPE, Isaac vem acumulando desde abril as presidências da UMES e União da Juventude Socialista (UJS) do Recife.

    Na Campanha pelo Voto aos 16, representantes do movimento incentivam os estudantes entre 16 e 18 anos a tirarem seus títulos de eleitores, visto que nessa idade o voto é facultativo. Esta iniciativa é considerada pelos líderes do movimento como um exercício de cidadania necessário para que haja maior engajamento da juventude no processo político-social do país. E a Campanha pelo Primeiro Emprego vai colocar os jovens (principalmente entre 15 e 25 anos) a par  da realidade brasileira em relação à política de exclusão social que resulta em milhões de desempregados, de acordo com a visão de lideranças jovens. O objetivo é pressionar as autoridades competentes a elaborarem programas, apresentando soluções para o problema. "A maioria dos jovens, principalmente os que pertencem à comunidade de baixa renda da população, se encontra sem perspectivas diante da realidade que vivemos, em que conseguir um emprego está cada vez mais difícil, e mais ainda para quem não tem experiência anterior", lamenta Isaac Araújo. Além destas campanhas, o Movimento Estudantil no Recife está organizando o próximo congresso da UMES a ser realizado ainda este ano. O Congresso da UJS aconteceu no início do mês de maio e contou com a presença de lideranças da  esquerda pernambucana.

    Ditadura é culpada - O  distanciamento da política, em que se mantém a maioria dos jovens brasileiros, encontra explicação nos mais de 20 anos de ditadura militar vivida no Brasil. Pelo menos é o que acredita líderes do movimento, como o presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE), Ricardo Cappelli, 26 anos. "A geração de hoje vive sob a influência da ditadura, por isso não está acostumada ao debate. Muitos são guiados pela lógica neoliberal do individualismo. Cada um na sua, e se possível, com alguma coisa em comum. E não poderia deixar de ser assim por causa do longo período de ditadura vivido no país", justifica. Cappelli acredita na candidatura de Lula (PT) como oposição à Fernando Henrique Cardoso por ainda ser o petista a maior liderança de esquerda no país, mas afirma que a entidade não irá apoiar, oficialmente, nenhum candidato. Ele afirma que a função da UNE é lutar por uma política educacional que não discrimine os cidadãos, que leve oportunidade a todos de ter acesso ao ensino público e de qualidade. O resto é conseqüência. "Mas é claro que se a sociedade estiver vivendo uma situação crítica, um momento ímpar como foi o impeachement de Collor, temos que aderir às manifestações", diz ele.Cappelli admite que falta debate, mas nega que os jovens estejam despolitizados.

    Há quem discorde do presidente da UNE. O ex-militante da Ação Libertadora Nacional (ALN), Carlos Eugênio Paz, 48, recorda que os jovens de sua época(décadas de 60 e 70) eram mais determinados, mais politizados. "Naquela época garotos de 14, 15 anos, já pegavam em armas para lutar contra a ditadura. E hoje o que fazem? São jovens consumistas e cada vez mais individualistas. É a geração shopping center. Vivem vidrados na Xuxa e no Ratinho. Não generalizo, mas a maioria dos jovens de hoje não está nem aí para a política". Carlos Eugênio entrou na luta armada com apenas 16 anos e, recentemente, escreveu dois livros contando suas experiências: Viagem à Luta Armada e Nas Trilhas da ALN.

    Na opinião da deputada estadual e ex-dirigente da UNE Luciana Santos (PCdoB), o desinteresse dos jovens em relação à política se deve ao esfriamento e, em alguns casos, ao fim das grandes organizações de esquerda no mundo. "A juventude perdeu os seus referenciais e está sem perspectivas", analisa a deputada.


        Entidades Estão Desorganizadas

    Como exemplo da desarticulação em que se encontra o movimento no estado, a Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e Universidade Católica de Pernambuco (Unicap) estão há algum tempo sem Diretório Central, a entidade máxima dos estudantes dentro da universidade. Na Católica a antiga diretoria causou um rombo de cerca de 20 mil reais nos cofres daquele D.C.E. e entre os credores está a Antarctica. São dívidas referentes à gastos com calouradas, desvios de dinheiro das carteiras estudantis e não pagamento de funcionários.

    A Unicap tem 40 cursos e apenas 11 Diretórios Acadêmicos, o que demonstra um grande desinteresse da estudantada em relação aos problemas não apenas da universidade mas da educação em geral. E como que por falta de alternativas, integrantes da antiga diretoria do DCE manifestam interesse em reassumir o diretório. Contra eles uniram-se outros estudantes, fundando o Grupo Despertar, mesmo grupo responsável atualmente pelo D.A de Direito que já está com mais de um ano de gestão.

    O presidente do Diretório Acadêmico de Direito da Unicap, Samuel Vitalino diz que a preocupação agora é negociar o débito do Diretório Central para então, reabrí-lo. E segundo ele, vai ser possível liqüidar uma parte considerável da dívida com os fundos arrecadados com a confecção das carteiras de estudante deste ano. E no que diz respeito às manifestações sociais Samuel Vitalino é incisivo ao opinar que as entidades estudantis não devem se envolver tanto com política. "Por que os estudantes devem levantar a bandeira dos Sem Terra? Quando foi que eles se manifestaram a favor por exemplo da continuidade do crédito estudantil na universidade particular ou pela melhoria do ensino"?

    De qualquer forma, o estudante de Direito Breno Luz explica que "até onde vai o direito do cidadão possuir seu pedaço de terra, os estudantes do curso apoiam os Sem Terra com base no artigo V da Constituição de 1988. Mas, de acordo com Samuel "não é interessante para os líderes do movimento que a Reforma Agrária seja feita, por que se isso acontecer, encerra-se a atividade deles, e eles vivem disso". Segundo Samuel é por isso que às vezes eles recusam terra quando o governo tenta fazer alguns assentamentos, alegando não ser fértil para o cultivo. "Como é que eles sabem se nem chegaram a plantar?", critica o estudante.

    É por esse e outros motivos que ele não concorda que os estudantes devam participar intensamente da política, afinal eles já têm seus próprios problemas para resolver. "Devemos levantar a bandeira da classe estudantil, dos problemas que afligem a educação no país e de cada curso especificamente, pedir mais incentivo à pesquisa entre outras coisas", defende.

    O presidente regional da UNE, Luiz Henrique, 23, não gosta de comparar o movimento de hoje com o de décadas passadas. Para ele, o contexto social na época do Regime Militar, por exemplo, era muito diferente do atual. Ele até concorda que a maioria dos jovens está despolitizada, mas isso se deve "ao desestímulo geral criado na sociedade e nas universidades em se participar da vida política. Antigamente, os professores se envolviam mais e incentivavam os alunos a defenderem certas posições políticas", arrisca.

    O desinteresse dos jovens também é creditado a um certo receio quanto a ameaça de um retorno da repressão caso as coisas tomem um rumo que fuja ao controle dos governantes. "Não acredito que o Brasil sofra um retrocesso tão grande, mas muita gente guarda um receio em relação a isso". Estudante de economia da UFPE e filiado ao PCdoB, Luiz Henrique conta que quando começou a militância, sua mãe tentou convencê-lo de que essa atividade poderia ser perigosa. A preocupação da mãe do estudante pode ter fundamento quando se confirmam fatos como o que aconteceu na Bolívia: há uns três meses estudantes bolivianos sofreram repressão da polícia devido a manifestações e houve denúncias de torturas. No último mês de maio seis estudantes foram mortos em manifestações contra o governo do presidente Suharto, na Indonésia. Motivo: aumento da inflação e do desemprego e desvalorização da rúpia, moeda local.

    Quanto ao DCE da Federal, Luiz Henrique foi o último presidente e explica que houve um problema político interno. Nas últimas eleições para a diretoria, em 1995, houve uma pequena diferença no resultado, entre 50 e 60 votos. A chapa vencedora ficou pouco tempo na administração, pois a adversária queria novas eleições e criou-se um clima insustentável de divergência. Segundo Luiz Henrique a chapa derrotada começou a prejudicar o andamento da gestão o que resultou no fechamento do DCE. Tentou-se realizar novas eleições, mas vieram as férias e não teve quórum, depois o Congresso da UNE, greve dos professores... Enfim, uma série de fatos que adiaram as novas eleições. Mas o dirigente assegura que há uma mobilização para reabrir estes diretórios em breve.
 
Entre Perdas e Ganhos, os estudantes têm intensa participação na História do Brasil

    Fundada há 61 anos, a União Nacional dos Estudantes (UNE) continua resistindo aos embates e combates travados na cena política brasileira. Mas a participação dos jovens na política diminuiu muito nos últimos anos, dando margem ao que se chama de alienação. Vale lembrar que a participação jovem na política vem de bem antes da UNE. Ainda no Brasil Colônia e no Império eles formavam grupos e sociedades em favor da Abolição da Escravatura e pela implantação da República, só para citar duas bandeiras de destaque erguidas pela juventude brasileira.

    Na primeira década deste século um trágico episódio marcou a vida da sociedade brasileira: José de Araújo Guimarães e Francisco Pedro Ribeiro Junqueira são assassinados, em plena luz do dia, por uma Brigada Policial. Os policiais foram enviados para conter uma manifestação de estudantes durante a Campanha Civilista da oposição, que tinha Rui Barbosa como candidato à Presidência da República, contra o marechal Hermes da Fonseca.

    O Movimento Estudantil no Brasil tem uma trajetória longa de lutas, com perdas e ganhos, erros e acertos. As conquistas foram obtidas  com muito sangue e suor. Jovens, em geral entre 15 e 25 anos, nas escolas, universidades ou sedes de partidos, se reuniam e passavam horas a discutir os problemas do país. Ganhavam as ruas para protestar contra regimes autoritários, a falta de liberdade de expressão e pedir igualdade de oportunidades. Ergueram diversas bandeiras por causas sociais.
Estudantes sofreram forte repressão militar

    Durante sua existência a UNE acumulou muitas lutas. Desde sua criação em 1937, mesmo ano do Estado Novo de Getúlio, começou a sofrer interferência dos governantes sempre que se colocava como força de peso no cenário político. Um exemplo dessa intervenção aconteceu em 1951, quando o Ministério da Educação cuidou junto com uma organização norte-americana, a United States Agency for International Development (Usaid) de deter as ações comunistas no meio universitário. Agentes norte-americanos, disfarçados de estudantes, se infiltraram em universidades brasileiras com o fim de combater as idéias comunistas.

    Essa ação se estendeu a vários estados. Na época de Getúlio, cujo governo tinha cunho nacionalista, encontrou uma certa resistência. E já nos anos 60 Pernambuco foi um dos poucos estados a denunciar a farsa publicamente. Uma comissão criada pelo então governador Miguel Arraes definiu os acordos educacionais feitos com os Estados Unidos como perniciosos ao Estado.

    Outro exemplo da forte repressão ao movimento estudantil brasileiro foi a aplicação da Lei nº 4.464, de 9 de novembro de 1964, conhecida como Lei Suplicy de Lacerda (então Ministro da Educação), que extinguia a UNE. No ano do golpe, a entidade era presidida por José Serra, atual Ministro da Saúde de FHC. A partir daí, vários estudantes foram perseguidos. Uns foram mortos, alguns foram para o exílio e outros continuam desaparecidos até hoje.

    1968: o ano que não terminou - Este é o título do livro de Zuenir Ventura. E este ano ficou fortemente marcado na história do Brasil. Há quatro anos, os brasileiros estavam vivendo sob o autoritarismo e violência do Regime Militar. Pessoas haviam sido mortas e outras se encontravam desaparecidas. As manifestações de protesto contra o regime continuavam firmes, mas um fato agravou a situação: o estudante Edson Luiz Lima Souto, 17 anos, foi morto pela Polícia Militar no restaurante universitário Calabouço, no Rio de Janeiro.

    A morte de Edson Luiz despertou diversos setores da sociedade. Uma multidão de pessoas movidas pelo sentimento de indignação e revolta ganharam as ruas para protestar. Entre outros fatos, no dia 26 de junho aconteceu no Rio a Passeata dos Cem Mil. E muitas outraspasseatas se seguiram a esta. No entanto, dia 5 de julho uma nota do Ministro da Justiça proibiu as passeatas. No final do ano, dia 13 de dezembro, o presidente Costa e Silva decretou o Ato Institucional nº 5, que fechou o Congresso Nacional e intensificou a perseguição aos opositores do regime.

    Manifestações populares aconteciam com intensidade também na França dominada pelo marechal De Gaulle. No dia 7 de maio deste ano sete mil estudantes entraram em choque com a polícia, em Paris. Universidades foram fechadas. E ainda no mês de maio, 10 milhões de grevistas pararam a França. Em junho a violência tomou novamente as ruas de Paris, e resultou na morte de um estudante e um operário.

    Além do Brasil e da França, acontecimentos semelhantes foram noticiados nos jornais locais também na Itália, Venezuela, Colômbia e Espanha. Todos envolvendo trabalhadores e/ou estudantes, contra o autoritarismo e a política de seus respectivos governos.


Pouco interesse pela política e um Movimento de pouca dimensão

    É possível, ainda, encontrar grupos de estudantes reunidos, discutindo política ou estudando o manifesto comunista de Marx e Engels, mas, a quantidade de jovens engajados caiu drasticamente nos últimos anos. A redução dessa participação pode ser constatada nas manifestações de rua atualmente. Hoje, ao invés de 100 mil, o movimento mal arrasta algumas centenas, o que o torna quase inexpressivo e sem força para interferir nas grandes questões políticas. No entanto, os líderes rebatem apontando para os números de manifestantes em episódios isolados como o Impeachment de Collor e os protestos contra a privatização da Companhia Vale do Rio Doce, no início do ano passado, que arregimentou cerca de 6 mil manifestantes só no Recife. Há quem diga que os meios de comunicação contribuíram muito para o quadro atual da sociedade, de completa alienação política pela maioria da população. Para esses,  a mídia exerce um forte poder de mobilização e a classe dominante se utiliza deste recurso para manipular o comportamento das massas.




Trabalho enviado por:
Stela Mary




FONTE: EDMS – Trabalhos Escolares, Educação & Diversão (ANO 2000 - 2003)


www.trampoescolar.com - Trabalhos Escolares, Educação e Diversão! ENEM, VESTIBULAR, TRABALHOS ESCOLARES DE TODAS AS MATÉRIAS COMO: BIOLOGIA, ED. FÍSICA, FÍSICA, GEOGRAFIA, HISTÓRIA, INFORMÁTICA, LITERATURA, MATEMÁTICA, PORTUGUÊS, QUÍMICA E MUITO MAIS!!!
tudo grátis -> trabalhos escolares prontos, trabalhos feitos, trabalhos acadêmicos, trabalhos universitários, monografias, teses, tcc, trabalho de conclusão de curso, informativos, livros, revistas, artigos, artigos científicos, artigos imparcialistas, documentos de investigações, monografias, resenhas, paper, ensaios, bibliografias, textos, traduções, regras ABNT, Vancouver, digitações, dissertações, projetos, pesquisas, conteúdos para o ensino médio, fundamental, vestibulares e cursos, coletâneas, frases, conclusões, mensagens, citações, temas, textos jornalísticos, gêneros literários, arquivos, relatórios, apostilas, publicações, revisões, anteprojetos, resenhas, orientações, poesias, receitas, doutrinas, plano de negócios. Educação, educacional, escola, escolar, escolres, estudos, estudante, estudando, professor, professora, professores, ensino, ensinar, ensinando, instrução, instruir, instruído, instruindo, educar, educando, eduque. Tudo gratuito, gratuitamente, grátis. geografia, geofísica egeologia. Trabalhos Escolares, normas abnt, trabalhos prontos, monografia, trabalhosescolares, Encontre aqui trabalhos escolares prontos gratis, faca sua pesquisa escolar em milhares de trabalhos prontos e artigos revisados.
Monografia, monografias, trabalhos prontos revisados, tcc tema. Milhares de trabalhos prontos, monografias, teses, tcc .... trabalhos de universidades, resenha, Paper, Ensaio, Bibliografia, Trabalhos Escolares.
Trabalhos Escolares - Cola da Web coladaweb trabalhos-escolares O Cola da Web facilita sua vida escolar e acadêmica ajudando você em suas pesquisas, trabalhos escolares e de faculdade.... O Cola da Web NÃO faz a venda
Cola da Web - Pesquisa Escolar - Trabalhos Escolares Prontos, Encontre aqui trabalhos escolares e acadêmicos prontos grátis, faça sua pesquisa escolar em milhares de artigos, lista de resumos, downloads de livros e Imagens de trabalhos escolares
Brasil Escola - Educação, vestibular, guerras, pedagogias, Trabalho escolar, trabalhos escolar, trabalho pronto escolar, trabalho escolar pronto, biblioteca virtual, educação, escola, apostilas, trabalhos escolares,
Trabalho Escolar - Pesquisas Escolares - Grupo Escolar O Grupo Escolar é um canal de estudos repleto de pesquisas escolares sobre diversos temas. Faça seu trabalho escolar aqui e estude muito!
Trabalhos Escolares - como fazer, orientações, partes de um, trabalho.htm trabalho escolar, como fazer, pequisa, partes, etapas, dicas.
Pesquisa Escolar - Trabalhos Escolares, pesquisa-escolar de beleza indescritível poderia ter inspirado os elogios de Caminha à nova terra. Internet · Universidades. Páginas de Pesquisas. Trabalhos Escolares▻
Monografias Prontas & Trabalhos Prontos Escolares Trabalhos escolares, Trabalhos Prontos e Monografias Prontas para entrega. Elaboramos trabalhos escolares, monografias prontas, trabalhos prontos e Trabalhos de Qualidade Prontos, Assistência a Qualquer Trabalho, TrabalhosFeitos - Trabalhos Escolares e Acadêmicos Prontos; Trabalhos, TrabalhosFeitos é uma crescente comunidade de trabalhos escolares e Anúncio relacionado a trabalhos escolares
TCCs Prontos Exclusivos trabalhosprontos Pesquisas relacionadas a trabalhos feitos trabalhos prontos trabalhos feitos anhanguera trabalhos feitos em casa trabalhos feitos





Palavras mais buscadas no site:

Trabalhos Escolares Trabalho Escolar Biologia Português Matéria Português Rede Social Dicas de Português História Língua Portuguesa ZOOLOGIA Facebook Memes Trolls Geografia Memes Zuando muito no face Trollando Memes para facebook Escrevendo em redes sociais Dúvidas de Português Educação Física Concursos Públicos Gramática Esportes Concursos Dicas de Concursos Públicos Biografia Química O que é a língua portuguesa Física Questões para Concursos Geologia Informática Questões Enfermagem Geofísica Enem Cartaz Cartazes Manifestações TI Tecnologia Blocos Econômicos e Organizações Internacionais Arte Artes GENÉTICA Sociologia PROUNI SISU Concordância Biografias Dicas Diversos ECOLOGIA Faculdade Universidade Vestibular Matemática Simulado Atualidades Civilizações Protesto CAFTA Seu Trabalho Ortografia QUESTÕES DE Português com Gabarito Literatura Crase Computadores analógicos Curiosidades Esqui Aquático Gramática. História da computação História do hardware Redação Índio EVOLUÇÃO QUESTÕES de Matemática com Gabarito Indígena Resumo Uso da Crase - quando há (ou não) crase Geometria Analítica Livro Plural RACIOCÍNIO LÓGICO Artigos 196 a 200 da Constituição Federal Grafia Hífen Lei n° 8.142 Lei nº 8.080 Organização e Funcionamento do SUS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO Com Gabarito Sistema Único de Saúde Autores Geometria Homônimos Parônimos Tecnologia da Informação Uso da vírgula Construções Geométricas Educação Resumos Vírgula Anita Garibaldi Equação da reta Questão de Concurso Reciclagem Sinônimos Verbos Vocativo Aleijadinho Aluísio Azevedo Aposto Avaliação Carta Comunidade Andina Dicionário Emprego Energia Estudar Fast Estudo Analítico do Ponto Estudo da Reta Exercícios Fernando Pessoa Formas variadas de linguagem Futebol Gauchês Ginástica História da Idade Média Idade Média Identidade Imagens para Facebook Inclinação da reta Lei Lei federal Nitrogênio Ortográfico Pedagogia Polo aquático Precisão e adequação vocabular Pronomes Psicologia Publicidade Reforma ortográfica Saúde Significados Tênis de Mesa Uso de por que Verbo Vocabulário por quê porque e porquê Ângulo de inclinação da reta 99 : Salário baixo e injustiça A Estrutura Curricular da Disciplina De Educação Física A Grande Influência da Lua em Nossas Vidas. A guerra civil gaúcha A participação do México no Nafta ACENTUAÇÃO ACENTUAÇÃO GRÁFICA ANARQUIA ASEAN Abandono Acentos Adolf Hitler Advérbios Afonso Pena AlCA x ALBA Alca Alfabeto Alfred Wegener Anatomia comparada Apec Apostila Apostila Concurso Professor Apostila PEB ll Arte Barroca Arte Rupestre Artesanato Arthur Aguiar Artigos Assíria Asteca Astrolábio Atletismo Até onde a Lua influencia a nossa vida? Automação Babilônia Badminton Balonismo Barack Obama Barão de Mauá Barão do Rio Branco Basquetebol Beisebol Benito Mussolini Benjamin Constant Bilhete Biodiversidade Biogeografia Biologia molecular Boxe Brasil - Eleições 2006 CEI – Comunidade dos Estados Independentes CLIMA Cabo de Guerra Caminhada Cana-de-açúcar Capoeira Caratê Caricom Carlos Chagas Carlos Drummond de Andrade Carta Argumentativa Carta comercial Carta de Reclamação Carta de informação Carta de solicitação Carta do leitor Cartaginês Cartão-postal Carvão mineral Casal Castro Alves Celta Charles Chaplin Chico Buarque de Holanda Chinesa - Civilizações Ciclismo Circunferência Clarice Lispector Classificação dos blocos econômicos Claude Debussy Comemoração em outros Países Comparativo entre C e java Comunidade Britânica Comunidade Sul-Americana de Nações Conceito Conceitos Concretismo Consciência Convite Copa 2014 Coreia do Norte e a Coreia do Sul Corrida Crise na Tunísia Cruzadas Crítica DEFENSIVOS AGRÍCOLAS DENSIDADE DESENHO DESMATAMENTO DESTAQUES NO MUNDO DOMESTICAÇÃO Dança Data Comemorativa Data Mining Data Warehouse Decreto nº 7.508 Descrição Desflorestamento Desrespeito com o professor Dia das Mães Dia do Descobrimento do Brasil - 22 de Abril Dicionário Web Direito Administrativo Dom Pedro I Duque de Caxias E-mail ESPÉCIES EM EXTINÇÃO EXPRESSIONISMO Educação no Brasil Educação nota 10 Egípcia Eleição de Dilma Rousseff Energia Solar Enunciação e contexto Escalada Escultura Esgrima Esporte Estrangeirismo Estrangeirismos Estudar é para os fortes Estudo da Circunferência Euclides Evolução da Tecnologia da Informação Exemplos de Textos do Cotidiano Expedições medievais realizadas em nome de Deus FIES FOTOSSÍNTESE Falsos Sinônimos Falta de Vagas Fauna Fenícia Feriados Feudalismo Figuras de estilo Filogenia Filogeografia Filosofia Fisiologia Flora Fly Fishing Formação de blocos econômicos Força de Floriano Fracasso da Alca Francesa Frases em imagens Frescobol Futebol americano Futurismo Fórmula 1 G 20 Financeiro GEO1M1 GEO2M2 Geometria Euclidiana Germânica Geógrafo Geólogo Ginástica Artística Ginástica de trampolim Globalização Glossário Web Golfe Golfo Pérsico Gonçalves Dias Governo x Educação Graciliano Ramos Grafite Grega Grego Grigori Perelman Guerra Guerra Civil Americana Guerra de Secessão Guia Prático Gêneros textuais argumentativos Gêneros textuais do cotidiano Gêneros textuais do universo jornalístico HISTiatÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA ARTE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃ Heitor Villa-Lobos Hidroginástica História do Futebol História em quadrinhos Homero Homo sapiens Homônimas e Parônimas Hóquei IMPRESSIONISMO Idade Antiga Idade Contemporânea Idade Moderna Importância da mulher na sociedade Inca Indiana Indigena Individualismo Industrialização da China Industrialização e Urbanização Indígena no Brasil Indígenas Inglesa Inglês Ingresso Tardio Inscrições Integração da Venezuela ao Mercosul James Watt Japonesa Jet Ski Jiu Jitsu Jogo de Queimada Jogos Olímpicos Pequim 2008 John Fitzgerald Kennedy José de Alencar Judô Karl Marx Kung-Fu Lima Barreto Linguagem e comunicação Localização do Golfo Pérsico Luiz Gonzaga MEIO AMBIENTE MIGRAÇÕES ANIMAIS MMA Mixed Martial Arts Madeira Mahatma Gandhi Maia Mamíferos Manguezal Medicina Memórias de Computadores Mercosul Mercosul: Países Integrantes Mercúrio (planeta) Mergulho Mesóclise Minas Gerais Missão Científica Espacial Brasileira Mix Útil Modelos de Processadores Modismos Monarquia Monteiro Lobato Moralismo Morfologia Mundo Summary Musculação Médicos Nado Sincronizado Natação Neologismo Neologismos O milênio da mulher O que é Educação Física? OEA OLAP OMC ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SUS - LEI 8080/90 E 8142/90 ORIGAMI Op-art Opep Opinião Os livros são um oceano infinito de conhecimento PEB ll POLUIÇÃO Paleontologia Parkour Pedro Bandeira Pedro Álvares Cabral Pensamentos Persa Perímetros Pesquisa Pessoa Piaget Pintura Placa tectônica Planejamento e Gerência de Projeto de Software Planície Pleonasmo Pontuação Pop Art Portugal Povos indígenas Presidentes da República do Brasil Primavera Árabe Princesa Isabel Professor Professor trollando aluno que não estuda Pronomes átonos Prosa Naturalista Prova Pré-História Próclise QUALIDADE DE VIDA QUESTÕES DE Português Acentuação Com Gabarito QUESTÕES DE Português Crase com Gabarito Questão do Mensalão Questões de Português Ortografia com Gabarito R$9 RENASCIMENTO RESPONSABILIDADE SOCIAL ROCOCÓ Racismo Ranking Mundial de Educação Rapa-Nui Rebelião Popular Rede municipal de saúde Redundância Relacionamento Remo Repetência Reservas indígenas no Brasil Respeite o Professor Respostas Resumo de Livro Revolta da Armada Revolta da Vacina Revolta na Líbia Revolta no Egito Revolução Federalista Revolução Francesa Robô Romana Romero Britto Russa SADC Saltos Ornamentais Semânticas Seriados Sintaxe Sismo Sistema Operacional Sistemática Skate Squash Subjuntivo Suméria Surfe Tabelas Cruzadas e DrillDown Taekwondo Teatro Terremoto Texto instrucional (injuntivo) The Vampire Diaries Tigres Asiáticos Tipos de Frase Triathlon Turca Turfe Tênis Unasul União Europeia União Européia Urbanização da China Urânio Uso do Hífen (Novo Acordo Ortográfico) Verbo Auxiliar Verbos Abundantes Verbos Anômalos Verbos Defectivos Verbos Regulares e Irregulares Verbos Transitivos Verbos de Ligação Verdades e mentiras sobre o conflito das Coreias Vida de professo Viking Voleibol Voleibol de Praia Volumes Water Bike Xadrez Xenofobia Xilogravura Zuando na escola 2013 dúvida léxico regionalismo saúde no Brasil tempo verbal toma dicionário na cara variante linguística Árabe - Civilizações Áreas Ângulos Ênclise