Sistema Nervoso



SUMÁRIO

1.0.

Função

04
2.0.
Os neurônios: células nervosas
04
3.0.
Célula Glia
05
4.0.

Impulso nervoso

05
5.0.
Sinapse
06
5.1.
Sinapses Neuromusculares
07
5.2.
Sinapses Elétricas
07
6.0.
Sistema nervoso central
07
6.1.
Introdução
07
6.2.
Meninges
07
6.3.
Partes do encéfalo
08
7.0.
Sistema nervoso periférico
08
7.1.
Introdução
08
7.2.
Nervos e gânglios nervosos
08
7.3.
Nervos sensitivos, motores e mistos
09
7.4.
Nervos cranianos
09
7.5.
Nervos espinais ou raquidianos
09
7.6.
Gânglios espinhais
09
8.0.
Fisiologia do Sistema Nervoso
10
8.1.
Funções do encéfalo
10
9.0.
Cérebro
10
9.1.
Tálamo e hipotálamo
10
9.2.
Tronco encefálico
11
9.3.
Cerebelo
11
9.4.
Funções da medula espinhal
11
10.0.
Divisão funcional do sistema nervoso periférico (SNP)
12
10.1.
Sistema nervoso periférico voluntário
12
10.2.
Sistema nervoso periférico autônomo
12
10.2.1.
Sistema nervoso simpático e parassimpático
12
11.0.
Cérebro
13
11.1.
Componentes do cérebro
13
11.2.
Funções dos hemisférios cerebrais
14
11.3.
Funções do cérebro
15
12.0.
Alguns distúrbios do sistema nervoso
15
12.1.
Acidente vascular cerebral (AVC)
15
12.2.
Ataques epilépticos
15
12.3
Cefaléias
16
12.4.
Doenças degenerativas do sistema nervoso
16
12.4.1.
Esclerose múltipla
16
12.4.2.
Doença de Parkinson
16
12.4.3.
Doença de Alzheimer
17
13.0.
Doenças infecciosas do sistema nervoso
17
14.0.
Bibliografia
18


01.         FUNÇÃO

O sistema nervoso é responsável pelo ajustamento do organismo ao ambiente. Sua função é perceber e identificar as condições ambientais externas, bem como as condições reinantes dentro do próprio corpo e elaborar respostas que se adaptem a essas condições.
A unidade básica do sistema nervoso é a célula nervosa, chamada “neurônio”, que é uma célula muito estimulável; ela é capaz de perceber as mínimas variações que ocorrem em torno dela, reagindo com uma alteração elétrica que percorre sua membrana. Essa alteração elétrica é o “impulso nervoso”.
As células nervosas estabelecem conexões entre si de tal maneira que um neurônio pode transmitir a outros os estímulos recebidos do ambiente, gerando uma reação em cadeia.

02.         OS NEURÔNIOS: CÉLULAS NERVOSAS

Um neurônio comum apresenta três partes distintas: corpo celular, dentritos e axônio. No corpo celular, a parte mais volumosa da célula nervosa, se localiza o núcleo e a maioria das estruturas citoplasmáticas.
Os dentritos (palavra originada do grego dendron, árvore) são prolongamentos finos e geralmente ramificados que conduzem os estímulos captados do ambiente ou de outras células em direção ao corpo celular. O axônio é um prolongamento fino, geralmente mais longo que os dentritos, cuja função é transmitir para as outras células os impulsos nervosos provenientes do corpo celular.
Os corpos celulares dos neurônios estão concentrados no sistema nervoso central (em seguida falarei um pouco sobre ele) e também em pequenas estruturas globosas espalhadas pelo corpo, os gânglios nervosos. Os dentritos e o axônio, genericamente chamados fibras nervosas, estendem-se por todo o corpo, conectando os corpos celulares dos neurônios entre si e as células sensoriais, musculares e glandulares.

03.        CÉLULA GLIA

Além dos neurônios, o sistema nervoso apresenta-se constituído pelas “glia” ou “células gliais”, cuja função é dar sustentação aos neurônios e auxiliar no seu funcionamento. As células da glia constituem cerca de metade do volume do nosso encéfalo. Há diversos tipos de células gliais. Os astrócitos, por exemplo, dispõem-se ao longo dos capilares sangüíneos do encéfalo, controlando a passagem de substâncias do sangue para as células do sistema nervoso. Os oligodendrócitos e as células de Schwann enrolam-se sobre os axônios de certos neurônios, formando envoltórios isolantes.

04.        IMPULSO NERVOSO

A despolarização e a repolarização de um neurônio ocorrem devido a modificações na permeabilidade da membrana plasmática. Em um primeiro instante, abrem-se “portas de passagem” de Na, permitindo a entrada de grande quantidade desses íons na célula. Com isso aumenta a quantidade relativa de carga positiva na região interna na membrana, provocando sua despolarização. Em seguida abrem-se as “portas de passagem” de K+, permitindo a saída de grande quantidade desses íons. Com isso, o interior da membrana volta a ficar com excesso de cargas negativas (repolarização). A despolarização em uma região da membrana dura apenas cerca de 1,5 milésimo de segundo.
O estímulo provoca, assim, uma onda de despolarizações e repolarizações que se propagam ao longo da membrana plásmática do neurônio. Essa onda de propagação é o impulso nervoso, que se propaga em um único sentido de fibra nervosa. Dentritos sempre conduzem o impulso em direção ao corpo celular, por isso diz-se que o impulso nervoso no dentrito é celulípeto. O axônio por sua vez, conduz o impulso em direção às suas extremidades, isto é, para longe do corpo celular, por isso diz-se que o impulso nervoso no axônio é celulífugo. A velocidade de propagação do impulso nervoso na membrana de um neurônio varia entre 10 cm/seg a 1 m/seg.. A propagação rápida dos impulsos nervosos é garantida pela presença da “bainha de mielina” que recobre as fibras nervosas. A “bainha de mielina” é constituída por camadas concêntricas de membranas plasmáticas de células da glia, principalmente células de Schawann. Entre as células gliais que envolvem o axônio existem pequenos espaços, os nódulos de Ranvier, onde a membrana do neurônio fica exposta.
Nas fibras nervosas mielinizadas, o impulso nervoso, em vez de se propagar continuamente pelas membranas do neurônio, pula diretamente de um nódulo de Ranvier para outro. Nesses neurônios mielinizados, a velocidade de propagação do impulso pode atingir velocidades de 200 m/seg (ou 720 Km/h).

Sistema Nervoso
Divisão
Partes
Funções gerais
Sistema Nervoso Central (SNC)
Encéfalo
Medula Espinhal
Processamento e integração de informações
Sistema Nervoso Periférico (SNP)
Nervos

Gânglios

Condução de informações entre órgãos receptores de estímulos, o SNC e órgãos efetuadores (músculos, glândulas...)


05.0.    SINAPSES: Transmissão do impulso nervoso entre células

Um impulso é transmitido de uma célula a outra através das sinapses (do grego synapsis, ação de juntar). A sinapse é uma região de contato muito próximo entre a extremidade do axônio de um neurônio e a superfície de outras células sensoriais, musculares ou glandulares. As terminações de um axônio podem estabelecer muitas sinapses ao mesmo tempo. Na maioria das sinapses nervosas, as membranas das células que fazem sinapse estão muito próximas, mas não se tocam. Existe um pequeno espaço entre as membranas celulares (o espaço sináptico ou fenda sináptica).

Quando os impulsos nervosos atingem as extremidades do axônio da célula pré-sináptica, ocorre liberação, nos espaços sinápticos, de substâncias químicas denominadas neurotransmissores ou mediadores químicos, que tem capacidade de se combinar com receptores presentes na membrana das células pós sináptica, desencadeando o impulso nervoso. Esse tipo de sinapse, por envolver a participação de mediadores químicos, é chamado sinapse química.


05.1.SINAPSES NEUROMUSCULARES

A ligação entre as terminações axônicas e as células musculares é chamada sinapse neuromuscular e nela ocorre liberação das substância neurotransmissora acetilcolina que estimula a contração muscular.

05.2.  SINAPSES ELÉTRICAS

Em alguns tipos de neurônios, o potencial de ação se propaga diretamente do neurônio pré-sináptico para o pós sináptico, sem intermediação de neurotransmissores. As sinapses elétricas ocorrem no sistema nervoso central, atuando na sincronização de certos movimentos rápidos.

06.0.   SISTEMA NERVOSO CENTRAL

06.1. INTRODUÇÃO

O encéfalo está localizado no interior do crânio e a medula espinhal no interior de um canal existente na coluna vertebral. O encéfalo e a medula são formados por células glia, por corpos celulares de neurônios e por feixes de dentritos e axônios.

06.2.   MENINGES

Tanto o encéfalo como a medula espinhal são protegidos por três camadas de tecidos conjuntivo (as meninges). A meninge externa, mais espessa, é a “dura-máter”; a meninge mediana é a aracnóide; e a mais interna é a “pia-máter”, firmemente aderido ao encéfalo e a medula. A “pia-máter” contém vasos sangüíneos responsáveis pela nutrição e oxigenação das células do sistema nervoso central.
Entre a aracnóide e a “pia-máter”, tem um espaço que é preenchido pelo líquido cerebrospinal ou líquido cefalorraquidiano, que também circula nas cavidades internas do encéfalo e da medula, esse líquido tem a função de amortecer os choques mecânicos do sistema nervoso central contra os ossos do crânio e da coluna vertebral.

06.3.   PARTES DO ENCÉFALO

As partes fundamentais do encéfalo são: lobo olftativo; cérebro; tálamo; lobo óptico; cerebelo e bulbo raquidiano ou medula oblonga).

07.0.  SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

07.1.   INTRODUÇÃO

O sistema nervoso periférico é constituído pelos nervos e gânglios nervosos e sua função é conectar o sistema nervoso central às diversas partes do corpo.

07.2.   NERVOS E GÂNGLIOS NERVOSOS

Nervos são feixes de fibras nervosas envoltas por uma capa de tecido conjuntivo. Nos nervos existe vasos sangüíneos responsáveis pela nutrição das fibras nervosas. As fibras presentes nos nervos podem ser tanto dentritos como axônios que conduzem, respectivamente, impulsos nervosos das diversas regiões do corpo ao sistema nervoso central e vice-versa.
Gânglios nervosos são aglomerados de corpos celulares de neurônios localizados fora do sistema nervoso central. Os gânglios aparecem como pequenas dilatações em certos nervos.

7.3.      NERVOS SENSITIVOS, MOTORES E MISTOS

Nervos sensitivos são os que contêm somente fibras sensitivas, que conduzem impulsos dos órgãos sensitivos para o sistema nervoso central.
Nervos motores são os que contêm somente fibras motoras, que conduzem impulsos do sistema nervoso central até os órgãos efetuadores (músculos ou glândulas).
Nervos mistos contêm tanto fibras sensitivas como fibras motoras.

7.4.      NERVOS CRANIANOS

São os nervos ligados ao encéfalo, enquanto nervos ligados à medula são denominados “nervos espinhais ou raquidianos”. Possuímos doze partes de nervos cranianos responsáveis pela intervenção dos órgãos do sentido, dos músculos e glândulas da cabeça, e também de alguns órgãos internos.

7.5.      NERVOS ESPINAIS OU RAQUIDIANOS

Dispõem-se em pares ao longo da medula. Cada nervo do par liga-se lateralmente à medula por meio de duas “raízes”, uma localizada em posição mais dorsal e outra em posição mais ventral. A raiz dorsal de um nervo espinhal é formada por fibras sensitivas e a raiz ventral, por fibras motoras.

7.6.      GÂNGLIOS ESPINHAIS

Na raiz dorsal de cada espinal existe um gânglio, o gânglio espinhal, onde se localizam os corpos celulares dos neurônios sensitivos. Já os corpos celulares dos neurônios motores localizam-se dentro da medula, dentro de uma substância cinzenta. Os nervos espinhais ramificam-se perto da medula e os diferentes ramos enervam os músculos, a pela e as vísceras.

8.0.      FISIOLOGIA DO SISTEMA NERVOSO

8.1.   FUNÇÕES DO ENCÉFALO

As informações vindas das diversas partes do corpo, chegam até as partes específicas do encéfalo (que são chamadas de centros nervosos), onde são integradas para gerar ordens de ação na forma de impulsos nervosos que são emitidas às diversas partes do corpo através das fibras motoras presentes nos nervos cranianos e espinhais.
O encéfalo humano contém cerca de 35 bilhões de neurônios e pesa aproximadamente 1,4 Kg. A região superficial do cérebro, que acomoda bilhões de corpos celulares de neurônios (substância cinzenta), constitui o córtex cerebral. O córtex cerebral está dividido em mais de quarenta áreas funcionalmente distintas, isto é, cada uma delas controla uma atividade específica.

9.0.      CÉREBRO

9.1.   TÁLAMO E HIPOTÁLAMO

Todas as mensagens sensoriais, com exceção das provenientes dos receptores do olfato, passam pelo tálamo antes de atingir o córtex cerebral. O tálamo atua como estação retransmissora de impulsos nervosos para o córtex cerebral. Ele é o responsável pela condução dos impulsos às regiões apropriadas do cérebro onde eles devem ser processados.
O hipotálamo, também constituído por substância cinzenta, é o principal centro das atividades dos órgãos viscerais, sendo um dos principais responsáveis pela homeostase corporal. Ele faz ligação entre o sistema nervoso e o sistema endócrino, atuando na ativação de diversas glândulas endócrinas. É o hipotálamo que controla a temperatura corporal, regula o apetite e o balanço de água no corpo e está envolvido na emoção e no comportamento sexual.

9.2.      TRONCO ENCEFÁLICO

Formado pelo mesencéfalo, pela ponte e pela medula oblonga (ou bulbo raquidiano), o tronco encefálico conecta o cérebro à medula espinal. Além de coordenar e integrar as informações que chegam ao encéfalo, ele controla a atividade de diversas partes do corpo.
O mesencéfalo é responsável por certos reflexos. A ponte é constituída principalmente por fibras nervosas mielinizadas que ligam o córtex cerebral ao cerebelo. O bulbo raquidiano participa na coordenação de diversos movimentos corporais e possui importantes centros nervosos.

9.3.      CEREBELO

É o responsável pela manutenção do equilíbrio corporal, é graças a ele que podemos realizar ações complexas, como andar de bicicleta e tocar violão, por exemplo. Ele recebe as informações de diversas partes do encéfalo sobre a posição das articulações e o grau de estiramento dos músculos bem como informações auditivas e visuais.

9.4.      FUNÇÕES DA MEDULA ESPINAL

A medula espinhal elabora respostas simples para certos estímulos. Essas respostas medulares, denominadas atos reflexos, que permitem reagir rapidamente em situações de emergência.
A medula funciona também como uma estação retransmissora para o encéfalo. Informações colhidas nas diversas partes do corpo chegam a medula, de onde são retransmitidas ao encéfalo para serem analisadas. Por outro lado, grande partes das ordens elaboradas no encéfalo passa pela medula antes de chegar aos seus destinos.
A parte externa da medula, de cor branca, é constituída por feixes de fibras nervosas mielinizadas, denominados tratos nervosos, que são responsáveis pela condução de impulsos das diversas regiões da medula para o encéfalo e vice-versa.

10.0.  DIVISÃO FUNCIONAL DO SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO

As ações voluntárias resultam da contratação de músculos estriados esqueléticos, que estão sob o controle do sistema nervoso periférico voluntário ou somático. Já as ações involuntárias resultam da contração das musculaturas lisa e cardíaca, controladas pelo sistema nervoso periférico autônomo, também chamado involuntário ou visceral.

10.1.  SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO VOLUNTÁRIO

Tem por função reagir a estímulos provenientes do ambiente externo. Ele é constituído por fibras motoras que conduzem impulsos do sistema nervoso central aos músculos esqueléticos.

10.2.   SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO AUTÔNOMO

Tem por função regular o ambiente interno do corpo, controlando a atividade dos sistemas digestivos, cardiovascular, excretor e endócrino. Ele contém fibras nervosas que conduzem impulsos do sistema nervoso central aos músculos lisos das vísceras e à musculatura do coração.

10.2.1.            SISTEMA NERVOSO SIMPÁTICO E PARASSIMPÁTICO

O sistema nervoso periférico autônomo é dividido em dois ramos: simpático e parassimpático, que se distinguem tanto pela estrutura quanto pela função. Enquanto os gânglios da via simpática localizam-se ao lado da medula espinal, distantes do órgão efetuador, os gânglios das vias parassimpáticas estão longe do sistema nervoso central e próximos ou mesmo dentro do órgão efetuador.
As fibras nervosas simpáticas e parassimpáticas enervam os mesmos órgãos, mas trabalham em oposição. Enquanto um dos ramos estimula determinado órgão, o outro o inibe. Essa ação antagônica mantém o funcionamento equilibrado dos órgãos internos.
O SISTEMA NERVOSO AUTÔNOMO simpático, de modo geral, estimula ações que mobilizam energia, permitindo ao organismo responder a situações de estresse. Por exemplo, o SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO AUTÔNOMO simpático é responsável pela aceleração dos batimentos cardíacos, pelo aumento da pressão sangüínea, pelo aumento da concentração de açúcar no sangue e pela ativação do metabolismo geral do corpo.
O SISTEMA NERVOSO PERIFÉRICO AUTÔNOMO parassimpático, o neurotransmissor é a acetilcolina, como nas sinapses ganglionares. Já no simpático, o neurotransmissor é, com poucas exceções, a noradrenalina.

11.0.  CÉREBRO

É a parte do sistema nervoso central que fica dentro do crânio. É a parte mais desenvolvida e mais volumosa do encéfalo, pesa aproximadamente 1,3 Kg e é uma massa de tecido cinza-róseo. Quando cortado, o cérebro apresenta duas substâncias diferentes: uma branca, que ocupa o centro e outra cinzenta, que forma o córtex cerebral. O córtex cerebral está dividido em mais de quarenta áreas funcionalmente distintas. Cada uma delas controla uma atividade específica. A presença de grandes áreas cerebrais relacionadas ao controle da face e das mãos explica por que essas partes do corpo têm tanta sensibilidade. No córtex estão agrupados os neurônios.

11.1. COMPONENTES DO CÉREBRO

O cérebro é composto por cerca de 100 bilhões de células nervosas, conectadas umas às outras e são responsáveis pelo controle de todas as funções mentais. Além das células nervosas (neurônios), o cérebro contém células glia (células de sustentação), vasos sangüíneos e órgãos secretores.
Ele tem três componentes estruturais principais: os grandes hemisférios cerebrais, em forma de abóbada (na parte de cima), o cerebelo, o menor e com formato mais esférico (fica mais abaixo e à direita), e o tronco cerebral (centro). No tronco cerebral. Destacam-se a medula alongada ou bulbo raquiano (o alargamento central) e o tálamo (que fica entre a medula e os hemisférios cerebrais).
Os hemisférios cerebrais são responsáveis pela inteligência e pelo raciocínio.
O tronco encéfalo, formado pelo mesencéfalo, pela ponte e pela medula oblonga, conecta o cérebro à medula espinal, além de coordenar e entregar as informações que chegam ao encéfalo. Controla as atividades de diversa partes do corpo.
O mesencéfalo recebe e coordena informações referentes ao estado de contrações dos músculos e postura,  responsável por certos reflexos.
O cerebelo ajuda a manter o equilíbrio e a postura.
O bulbo raquiano está implicado na manutenção das funções involuntárias, tais como a respiração.
A ponte á constituída principalmente por fibras nervosas mielinizadas que ligam o córtex cerebral ao cerebelo.
O tálamo age como centro de retransmissão dos impulsos elétricos.

11.2.   FUNÇÕES DOS HEMISFÉRIOS CEREBRAIS

Embora os hemisférios cerebrais tenham uma estrutura simétrica, ambos (direito e esquerdo) com dois lóbulos que emergem do tronco cerebral e com áreas sensoriais e motoras, certas funções intelectuais são desempenhadas por um único hemisfério. Geralmente, o hemisfério dominante de uma pessoa ocupa-se da linguagem e das operações lógicas, enquanto que o outro hemisfério controla as emoções e as capacidades artísticas e espaciais. Em quase todas as pessoas destras e em muitas pessoas canhotas, o hemisfério dominante é o esquerdo. Esses dois hemisférios são conectados entre si por uma região denominada corpo caloso.

11.3.   FUNÇÕES DO CÉREBRO

O cérebro é o centro de controle do movimento, do sono, da fome, da sede e de quase todas as atividades vitais necessárias à sobrevivência. Todas as emoções, como o amor, o ódio, o medo, a raiva, a alegria, a tristeza, também são controladas pelo cérebro. Ele está encarregado ainda de receber e interpretar os inúmeros sinais enviados pelo organismo e pelo exterior.
Os cientistas, já conseguiram elaborar um mapa do cérebro, localizando diversas regiões responsáveis pelo controle da visão, audição, olfato, paladar, dos movimentos automáticos e das emoções, entre outras. No entanto, pouco ainda se sabe sobre os mecanismos que reagem o pensamento e a memória.

12.0.  ALGUNS  DISTÚRBIOS DO SISTEMA NERVOSO

12.1.  ACIDENTE VASCULAR CEREBRAL

É um distúrbio grave do sistema nervoso. Podem ser causados tanto pela obstrução de uma artéria que leva a isquemia de uma área do cérebro, como por uma ruptura de uma artéria, seguida de derrame. Os neurônios alimentados pela artéria atingida ficam sem oxigenação e morrem, estabelecendo-se uma lesão neurológica. A porcentagem de óbitos entre pessoas atingidas por AVC é de 20% a 30% e, dos sobreviventes, muitos passam a apresentar problemas motores e de fala. Alguns dos fatores que predispõem ao AVC são a hipertensão arterial (pressão alta), a taxa elevada de colesterol (gordura) no sangue, a obesidade, o diabete (açúcar no sangue), o uso de pílulas anticoncepcionais e o hábito de fumar.

12.2.   ATAQUES EPILÉTICOS

Epilepsia não é uma doença e sim um sintoma que pode ocorrer em diferentes formas clínicas. As epilepsia aparecem, na maioria dos casos, antes dos dezoito anos de idade e podem Ter causas diversas, tais como anomalias congênitas (de nascença), doenças do sistema nervoso, infecções, lesões decorrentes de traumatismo craniano, tumores cerebrais, etc.

12.3.   CEFALÉIAS

São dores de cabeça (muito forte), que podem se propagar pela face, atingindo os dentes e pescoço. Sua origem está associada  a fatores diversos, como tenção emocional, distúrbios visuais e hormonais, pressão alta, infecções, sinusites, etc.

12.4.  DOENÇAS DEGENERATIVAS DO SISTEMA NERVOSO

Diversos fatores podem causar morte celular e degeneração, em maior ou menor escala, do sistema nervoso. Esses fatores podem ser mutações genéticas, infecções virais, drogas psicotrópicas, intoxicação por metais, poluição, etc. As doenças nervosas degenerativas mais conhecidas são a esclerose múltipla, a doença de Parkinson e a doença de Alzheimer.

12.4.1.  ESCLEROSE MÚLTIPLA

Se manifesta por volta dos 25 a 30 anos de idade, sendo mais freqüente nas mulheres. Os primeiros sintomas são alterações da sensibilidade e fraqueza muscular. Podem ocorrer perda da capacidade de andar, distúrbios emocionais, incontinência urinária, quedas de pressão, etc.

12.4.2.  MAL DE PARKINSON

Manifesta-se geralmente a partir dos 60 anos e é causada por alterações nos neurônios que constituem a “substância negra” e o corpo estriado, dois importantes centros motores do cérebro. A pessoa afetada passa a apresentar movimentos lentos, rigidez corporal, tremor incontrolável, além de acentuada redução na quantidade de dopamina, substância neurotransmissora fabricada pelos neurônios do corpo estriado.

12.4.3.  DOENÇA DE ALZHEIMER

O nome da doença surgiu por causa do neurologista alemão Alois Alzheimer. Esta doença é uma demência que se manifesta por volta dos 50 anos e se caracteriza por uma deterioração intelectual profunda, desorientando a pessoa, que perde progressivamente a memória, as capacidades de aprender e de falar.
Essa doença é considerada a primeira causa de demência senil. (forma clínica de deterioração intelectual do idoso). A expectativa média de vida de quem sofre dessa doença é de cinco a dez anos. Embora atualmente muitos pacientes sobrevivam por 15 anos ou mais.

13.0.  DOENÇAS INFECCIOSAS DO SISTEMA NERVOSO

Vírus, bactérias, protozoários e vermes podem paralisar o sistema nervoso, causando doenças de gravidade que depende do tipo de agente infeccioso, de seu estado físico e da idade da pessoa.
Diversos tipos de vírus podem atingir as meninges (membranas que envolvem o sistema nervoso central), causando as meningites virais. Se o encéfalo for afetado, fala-se de encefalites. Se a medula espinal for afetada. Fala-se de poliomielite. Infecções bacterianas também podem causar meningites.





14.0.  BIBLIOGRAFIA

Enciclopédia Larrousse Cultural
Enciclopédia Barsa
Ciência e Futuro (2000/2001)
O Corpo Humano, de Daniel Cruz
Webciência.com
Enciclopédia O Mundo da Criança

Luíza Camelo Freire, 13 anos, sétima série, Colégio São Luís, Recife/PE
e-mail: luizacamelo2001@hotmail.com



FONTE: 
EDMS – Trabalhos Escolares, Educação & Diversão (ANO 2000 - 2003)

Nenhum comentário:

Postar um comentário





Palavras mais buscadas no site:

Trabalhos Escolares Trabalho Escolar Biologia Português Matéria Português Rede Social Dicas de Português História Língua Portuguesa ZOOLOGIA Facebook Memes Trolls Geografia Memes Zuando muito no face Trollando Memes para facebook Escrevendo em redes sociais Dúvidas de Português Educação Física Concursos Públicos Gramática Esportes Concursos Dicas de Concursos Públicos Biografia Química O que é a língua portuguesa Física Questões para Concursos Geologia Informática Questões Enfermagem Geofísica Enem Cartaz Cartazes Manifestações TI Tecnologia Blocos Econômicos e Organizações Internacionais Arte Artes GENÉTICA Sociologia PROUNI SISU Concordância Biografias Dicas Diversos ECOLOGIA Faculdade Universidade Vestibular Matemática Simulado Atualidades Civilizações Protesto CAFTA Seu Trabalho Ortografia QUESTÕES DE Português com Gabarito Literatura Crase Computadores analógicos Curiosidades Esqui Aquático Gramática. História da computação História do hardware Redação Índio EVOLUÇÃO QUESTÕES de Matemática com Gabarito Indígena Resumo Uso da Crase - quando há (ou não) crase Geometria Analítica Livro Plural RACIOCÍNIO LÓGICO Artigos 196 a 200 da Constituição Federal Grafia Hífen Lei n° 8.142 Lei nº 8.080 Organização e Funcionamento do SUS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO Com Gabarito Sistema Único de Saúde Autores Geometria Homônimos Parônimos Tecnologia da Informação Uso da vírgula Construções Geométricas Educação Resumos Vírgula Anita Garibaldi Equação da reta Questão de Concurso Reciclagem Sinônimos Verbos Vocativo Aleijadinho Aluísio Azevedo Aposto Avaliação Carta Comunidade Andina Dicionário Emprego Energia Estudar Fast Estudo Analítico do Ponto Estudo da Reta Exercícios Fernando Pessoa Formas variadas de linguagem Futebol Gauchês Ginástica História da Idade Média Idade Média Identidade Imagens para Facebook Inclinação da reta Lei Lei federal Nitrogênio Ortográfico Pedagogia Polo aquático Precisão e adequação vocabular Pronomes Psicologia Publicidade Reforma ortográfica Saúde Significados Tênis de Mesa Uso de por que Verbo Vocabulário por quê porque e porquê Ângulo de inclinação da reta 99 : Salário baixo e injustiça A Estrutura Curricular da Disciplina De Educação Física A Grande Influência da Lua em Nossas Vidas. A guerra civil gaúcha A participação do México no Nafta ACENTUAÇÃO ACENTUAÇÃO GRÁFICA ANARQUIA ASEAN Abandono Acentos Adolf Hitler Advérbios Afonso Pena AlCA x ALBA Alca Alfabeto Alfred Wegener Anatomia comparada Apec Apostila Apostila Concurso Professor Apostila PEB ll Arte Barroca Arte Rupestre Artesanato Arthur Aguiar Artigos Assíria Asteca Astrolábio Atletismo Até onde a Lua influencia a nossa vida? Automação Babilônia Badminton Balonismo Barack Obama Barão de Mauá Barão do Rio Branco Basquetebol Beisebol Benito Mussolini Benjamin Constant Bilhete Biodiversidade Biogeografia Biologia molecular Boxe Brasil - Eleições 2006 CEI – Comunidade dos Estados Independentes CLIMA Cabo de Guerra Caminhada Cana-de-açúcar Capoeira Caratê Caricom Carlos Chagas Carlos Drummond de Andrade Carta Argumentativa Carta comercial Carta de Reclamação Carta de informação Carta de solicitação Carta do leitor Cartaginês Cartão-postal Carvão mineral Casal Castro Alves Celta Charles Chaplin Chico Buarque de Holanda Chinesa - Civilizações Ciclismo Circunferência Clarice Lispector Classificação dos blocos econômicos Claude Debussy Comemoração em outros Países Comparativo entre C e java Comunidade Britânica Comunidade Sul-Americana de Nações Conceito Conceitos Concretismo Consciência Convite Copa 2014 Coreia do Norte e a Coreia do Sul Corrida Crise na Tunísia Cruzadas Crítica DEFENSIVOS AGRÍCOLAS DENSIDADE DESENHO DESMATAMENTO DESTAQUES NO MUNDO DOMESTICAÇÃO Dança Data Comemorativa Data Mining Data Warehouse Decreto nº 7.508 Descrição Desflorestamento Desrespeito com o professor Dia das Mães Dia do Descobrimento do Brasil - 22 de Abril Dicionário Web Direito Administrativo Dom Pedro I Duque de Caxias E-mail ESPÉCIES EM EXTINÇÃO EXPRESSIONISMO Educação no Brasil Educação nota 10 Egípcia Eleição de Dilma Rousseff Energia Solar Enunciação e contexto Escalada Escultura Esgrima Esporte Estrangeirismo Estrangeirismos Estudar é para os fortes Estudo da Circunferência Euclides Evolução da Tecnologia da Informação Exemplos de Textos do Cotidiano Expedições medievais realizadas em nome de Deus FIES FOTOSSÍNTESE Falsos Sinônimos Falta de Vagas Fauna Fenícia Feriados Feudalismo Figuras de estilo Filogenia Filogeografia Filosofia Fisiologia Flora Fly Fishing Formação de blocos econômicos Força de Floriano Fracasso da Alca Francesa Frases em imagens Frescobol Futebol americano Futurismo Fórmula 1 G 20 Financeiro GEO1M1 GEO2M2 Geometria Euclidiana Germânica Geógrafo Geólogo Ginástica Artística Ginástica de trampolim Globalização Glossário Web Golfe Golfo Pérsico Gonçalves Dias Governo x Educação Graciliano Ramos Grafite Grega Grego Grigori Perelman Guerra Guerra Civil Americana Guerra de Secessão Guia Prático Gêneros textuais argumentativos Gêneros textuais do cotidiano Gêneros textuais do universo jornalístico HISTiatÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA ARTE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃ Heitor Villa-Lobos Hidroginástica História do Futebol História em quadrinhos Homero Homo sapiens Homônimas e Parônimas Hóquei IMPRESSIONISMO Idade Antiga Idade Contemporânea Idade Moderna Importância da mulher na sociedade Inca Indiana Indigena Individualismo Industrialização da China Industrialização e Urbanização Indígena no Brasil Indígenas Inglesa Inglês Ingresso Tardio Inscrições Integração da Venezuela ao Mercosul James Watt Japonesa Jet Ski Jiu Jitsu Jogo de Queimada Jogos Olímpicos Pequim 2008 John Fitzgerald Kennedy José de Alencar Judô Karl Marx Kung-Fu Lima Barreto Linguagem e comunicação Localização do Golfo Pérsico Luiz Gonzaga MEIO AMBIENTE MIGRAÇÕES ANIMAIS MMA Mixed Martial Arts Madeira Mahatma Gandhi Maia Mamíferos Manguezal Medicina Memórias de Computadores Mercosul Mercosul: Países Integrantes Mercúrio (planeta) Mergulho Mesóclise Minas Gerais Missão Científica Espacial Brasileira Mix Útil Modelos de Processadores Modismos Monarquia Monteiro Lobato Moralismo Morfologia Mundo Summary Musculação Médicos Nado Sincronizado Natação Neologismo Neologismos O milênio da mulher O que é Educação Física? OEA OLAP OMC ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SUS - LEI 8080/90 E 8142/90 ORIGAMI Op-art Opep Opinião Os livros são um oceano infinito de conhecimento PEB ll POLUIÇÃO Paleontologia Parkour Pedro Bandeira Pedro Álvares Cabral Pensamentos Persa Perímetros Pesquisa Pessoa Piaget Pintura Placa tectônica Planejamento e Gerência de Projeto de Software Planície Pleonasmo Pontuação Pop Art Portugal Povos indígenas Presidentes da República do Brasil Primavera Árabe Princesa Isabel Professor Professor trollando aluno que não estuda Pronomes átonos Prosa Naturalista Prova Pré-História Próclise QUALIDADE DE VIDA QUESTÕES DE Português Acentuação Com Gabarito QUESTÕES DE Português Crase com Gabarito Questão do Mensalão Questões de Português Ortografia com Gabarito R$9 RENASCIMENTO RESPONSABILIDADE SOCIAL ROCOCÓ Racismo Ranking Mundial de Educação Rapa-Nui Rebelião Popular Rede municipal de saúde Redundância Relacionamento Remo Repetência Reservas indígenas no Brasil Respeite o Professor Respostas Resumo de Livro Revolta da Armada Revolta da Vacina Revolta na Líbia Revolta no Egito Revolução Federalista Revolução Francesa Robô Romana Romero Britto Russa SADC Saltos Ornamentais Semânticas Seriados Sintaxe Sismo Sistema Operacional Sistemática Skate Squash Subjuntivo Suméria Surfe Tabelas Cruzadas e DrillDown Taekwondo Teatro Terremoto Texto instrucional (injuntivo) The Vampire Diaries Tigres Asiáticos Tipos de Frase Triathlon Turca Turfe Tênis Unasul União Europeia União Européia Urbanização da China Urânio Uso do Hífen (Novo Acordo Ortográfico) Verbo Auxiliar Verbos Abundantes Verbos Anômalos Verbos Defectivos Verbos Regulares e Irregulares Verbos Transitivos Verbos de Ligação Verdades e mentiras sobre o conflito das Coreias Vida de professo Viking Voleibol Voleibol de Praia Volumes Water Bike Xadrez Xenofobia Xilogravura Zuando na escola 2013 dúvida léxico regionalismo saúde no Brasil tempo verbal toma dicionário na cara variante linguística Árabe - Civilizações Áreas Ângulos Ênclise