ANALFABETISMO - Analfabetismo Funcional


Educação é Diversão!
www.trampoescolar.com


analfabetismo

            O conceito adotado mundialmente para definir analfabetismo foi proposto pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) em 1958. O termo define uma pessoa que não tem condições suficientes para ler ou escrever um enunciado simples.
            Vinte anos depois, a UNESCO reviu sua proposta inicial e propôs um novo conceito, adequado às mudanças sociais ocorridas no mundo. Assim, em 1978, surgiu o conceito de analfabetismo funcional, que refere-se a uma pessoa que, mesmo sabendo ler e escrever algo simples, não tem as habilidades necessárias para viabilizar o seu desenvolvimento pessoal e profissional.


Qual a diferença entre analfabetismo e analfabetismo funcional?
O analfabetismo é um conceito que foi criado em 1958 pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura). O termo refere-se às pessoas que não têm condições suficientes para ler ou escrever um enunciado simples. Já o analfabetismo funcional refere-se a uma pessoa que, mesmo sabendo ler e escrever algo simples, não tem as habilidades necessárias para viabilizar o seu desenvolvimento pessoal e profissional. O conceito também foi criado pela UNESCO, que, em 1978, reviu o conceito de analfabetismo.



O analfabetismo já não é medido no Brasil?
Sim, o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), historicamente, mede o analfabetismo no Brasil. Mais recentemente, passou também a medir o analfabetismo funcional, baseado nos anos de escolaridade completados pelos declarantes. Por este critério, é considerada analfabeta funcional a pessoa que não completou pelo menos quatro anos de escolaridade. No entanto, o número de anos de estudo considerados como mínimo para se atingir um nível de alfabetização suficiente é relativo. Por isso, ainda existe necessidade de aperfeiçoar um índice para medir o analfabetismo funcional.



Analfabetismo: uma questão de tempo

            O Brasil está avançando na luta para acabar com o analfabetismo. Nesses sete anos de governo, abrimos várias frentes para combater o problema. O primeiro passo foi fechar a "fábrica". Hoje praticamente não "produzimos" mais analfabetos. E 97% de nossas crianças de 7 a 14 anos estão na escola.
            O mal foi cortado pela raiz com a universalização do ensino fundamental.
O Censo Escolar 2001, por exemplo, mostra que o crescimento da matrícula na Educação de Jovens e Adultos foi de 12%, com o retorno de cerca de 400 mil pessoas às salas de aula. Isso quer dizer que a parcela da população com mais de 15 anos, que abandonou ou não teve a oportunidade de freqüentar a escola, está cada vez mais presente no sistema de ensino.
Mas o impacto sobre a taxa de analfabetismo demora a ser sentido. Segundo os últimos dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), existem no País cerca de 15 milhões de brasileiros que não sabem ler nem escrever. O maior foco está entre as pessoas com mais de 30 anos, sobretudo na faixa acima dos 50, onde a proporção chega a 31,5%.
Quem conhece a realidade brasileira sabe muito bem. Somos um País marcado por desigualdades históricas. Apesar de todos os nossos esforços, a fome e a pobreza continuam vivas, no campo e na cidade. Não é possível mudar uma situação social, que se arrasta há séculos, num passe de mágica, principalmente quando o assunto é educação. Um dos maiores desafios do Brasil hoje é resgatar suas gerações perdidas.
É o que o Ministério da Educação e o Programa Alfabetização Solidária estão fazendo. Nos últimos anos, mais de 3 milhões de jovens e adultos foram alfabetizados por intermédio do projeto Adote um Aluno. Empresas e pessoas físicas dividem os custos com o MEC. Pela primeira vez no País, o combate ao analfabetismo não se dá de forma isolada e sim como parte de uma política integrada, de médio e longo prazos.
Até o fim da década, a expectativa é de que o analfabetismo entre os jovens esteja superado, em conseqüência das políticas públicas que estamos implementando hoje. Avançamos muito a partir da criação do Fundo de Manutenção e Desenvolvimento do Ensino Fundamental e de Valorização do Magistério (Fundef), responsável pela distribuição mais justa dos recursos destinados ao ensino fundamental.
Na mesma linha, criamos também o Programa Bolsa-Escola. Já entregamos três milhões de cartões a famílias com renda per capita de até R$ 90,00. O auxílio é de R$ 15,00 por criança, até no máximo de R$ 45,00. Vamos repassar diretamente às mães um total de R$ 1,7 bilhão em recursos do Fundo Nacional de Combate a Pobreza. A meta é, até o fim do ano, chegarmos finalmente a 100% das crianças brasileiras na escola. Falta pouco, muito pouco.
Todas essas ações fazem parte de uma política integrada de combate ao analfabetismo. Estamos ampliando o acesso da população menos favorecida à Educação, que deixa de ser privilégio das elites. Segundo o IBGE, há seis anos, no meio urbano, tínhamos 25% das crianças de famílias pobres fora da escola. Hoje esse número caiu para 7%. A mesma tendência pode ser observada na área rural, com ênfase para as regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste.
É pela Secretaria de Educação Fundamental que passa toda a política de alfabetização do Ministério, via Departamento de Políticas Educacionais, responsável pela mudança na metodologia de ensino. A SEF é responsável pelo Programa de Formação de Professores Alfabetizadores, que está mudando a didática do processo de alfabetização.
Trata-se de um curso anual de formação, destinado especialmente a professores que ensinam a ler e escrever na Educação Infantil e nas séries iniciais do ensino fundamental e na Educação de Jovens e Adultos.  Hoje o aluno não aprende mais simplesmente a juntar sílabas e formar palavras, num processo mecânico. O importante é a contextualização do aprendizado, a formação de frases e, acima de tudo, o entendimento.
Foi-se o tempo em que alfabetizar era apenas ensinar as pessoas a escrever o nome. O desafio hoje é resgatar o sentido libertário da Educação, que forma cidadãos livres e conscientes, como preconizava Paulo Freire.


ANALFABETISMO DIMINUI 7% NO BRASIL

O Censo do IBGE apurou que, no ano passado, 17,6 milhões de brasileiros – cerca de 12,8% da população com 10 anos ou mais – não se consideram capazes de ler ou escrever um bilhete. Essa é, ao mesmo tempo, uma boa e uma má notícia. É boa porque esse número resulta de uma redução significativa do número de analfabetos em relação ao início da década de 90: em 1991, 19,7% dos brasileiros estavam na mesma condição. Mas é ruim porque ainda há muito trabalho a se fazer a fim de que o Brasil consiga cumprir metas estabelecidas na própria Constituição e garanta aos seus cidadãos uma escolaridade mínima. O levantamento apurou que, em média, um chefe de família típico estudou 5,7 anos – ou seja, nem completou os oito anos de escolaridade obrigatórios.
            Maiores taxas – "Avançamos bastante, mas a Constituição de 1988 previa a erradicação do analfabetismo em dez anos. Ainda não conseguimos e ainda temos uma das maiores taxas de analfabetismo da América Latina", analisa a pesquisadora do IBGE Dolores Kappel. A dificuldade em erradicar o analfabetismo reside no perfil de quem não sabe ler e escrever neste País: é o jovem e o adulto com 15 anos ou mais e a prova está nos dados levantados no Censo 2000. Nessa faixa etária, a taxa sobe para 13,6. Maria Clara di Pierro, coordenadora de Projetos de Políticas Educacionais da organização não-governamental Ação Educativa, tem uma explicação de por que isso ocorre. "De fato, pela primeira vez na história temos a redução, em termos absolutos, do número de analfabetos no País, mas isso está ocorrendo porque grandes contingentes de crianças entre 7 e 14 anos estão indo para a escola", comenta. "A redução nas faixas etárias mais velhas é pequena", complementa.
            As estatísticas mais recentes do Ministério da Educação (MEC) revelam que estamos muito próximos de universalizar o atendimento na faixa dos 7 aos 14 anos: 97% das crianças dessa idade estão matriculadas em uma escola. A conseqüência disso foi apurada pelo IBGE, que constatou uma redução de dez pontos porcentuais na faixa etária de 10 a 14 anos ante sete pontos porcentuais entre os maiores de 15 anos. Na opinião de Maria Clara é preciso reforçar as políticas de combate ao analfabetismo principalmente entre os adultos. "A queda está muito lenta", avalia.
            Desigualdade – Outro dado importante é a desigualdade entre as regiões.              Aproximadamente 10 milhões de analfabetos vivem no Norte e no Nordeste, justamente as regiões mais pobres, apesar dos avanços significativos nessas regiões. O Nordeste, por exemplo, teve o maior aumento do País, 12,9 pontos porcentuais. Apesar disso ainda é a região com a maior taxa de analfabetismo do País. Dos dez municípios brasileiros com os maiores índices de analfabetismo, sete estão no Nordeste. O campeão, Itamarati, no Amazonas. Em contrapartida, os dez municípios com as melhores taxas do País ficam na Região Sul, onde as desigualdades sociais são menores, o que tem reflexo direto sobre o número de analfabetos. São João do Oeste, em Santa Catarina, é o exemplo nacional: praticamente 100% dos moradores sabem ler e escrever.
            As elevadas taxas de analfabetismo e a baixa escolaridade têm impacto direto sobre a qualidade de vida do brasileiro. "A educação é um fator importantíssimo de inclusão social", comenta a pesquisadora Dolores. "As exigências em relação à formação aumentaram muito na última década, o que gera a necessidade de investimentos urgentes na educação de jovens e adultos", complementa Maria Clara.

 FONTE: EDMS – Trabalhos Escolares, Educação & Diversão





Acessem o melhor site de pesquisas e trabalhos escolares:

Nenhum comentário:

Postar um comentário





Palavras mais buscadas no site:

Trabalhos Escolares Trabalho Escolar Biologia Português Matéria Português Rede Social Dicas de Português História Língua Portuguesa ZOOLOGIA Facebook Memes Trolls Geografia Memes Zuando muito no face Trollando Memes para facebook Escrevendo em redes sociais Dúvidas de Português Educação Física Concursos Públicos Gramática Esportes Concursos Dicas de Concursos Públicos Biografia Química O que é a língua portuguesa Física Questões para Concursos Geologia Informática Questões Enfermagem Geofísica Enem Cartaz Cartazes Manifestações TI Tecnologia Blocos Econômicos e Organizações Internacionais Arte Artes GENÉTICA Sociologia PROUNI SISU Concordância Biografias Dicas Diversos ECOLOGIA Faculdade Universidade Vestibular Matemática Simulado Atualidades Civilizações Protesto CAFTA Seu Trabalho Ortografia QUESTÕES DE Português com Gabarito Literatura Crase Computadores analógicos Curiosidades Esqui Aquático Gramática. História da computação História do hardware Redação Índio EVOLUÇÃO QUESTÕES de Matemática com Gabarito Indígena Resumo Uso da Crase - quando há (ou não) crase Geometria Analítica Livro Plural RACIOCÍNIO LÓGICO Artigos 196 a 200 da Constituição Federal Grafia Hífen Lei n° 8.142 Lei nº 8.080 Organização e Funcionamento do SUS QUESTÕES DE RACIOCÍNIO LÓGICO Com Gabarito Sistema Único de Saúde Autores Geometria Homônimos Parônimos Tecnologia da Informação Uso da vírgula Construções Geométricas Educação Resumos Vírgula Anita Garibaldi Equação da reta Questão de Concurso Reciclagem Sinônimos Verbos Vocativo Aleijadinho Aluísio Azevedo Aposto Avaliação Carta Comunidade Andina Dicionário Emprego Energia Estudar Fast Estudo Analítico do Ponto Estudo da Reta Exercícios Fernando Pessoa Formas variadas de linguagem Futebol Gauchês Ginástica História da Idade Média Idade Média Identidade Imagens para Facebook Inclinação da reta Lei Lei federal Nitrogênio Ortográfico Pedagogia Polo aquático Precisão e adequação vocabular Pronomes Psicologia Publicidade Reforma ortográfica Saúde Significados Tênis de Mesa Uso de por que Verbo Vocabulário por quê porque e porquê Ângulo de inclinação da reta 99 : Salário baixo e injustiça A Estrutura Curricular da Disciplina De Educação Física A Grande Influência da Lua em Nossas Vidas. A guerra civil gaúcha A participação do México no Nafta ACENTUAÇÃO ACENTUAÇÃO GRÁFICA ANARQUIA ASEAN Abandono Acentos Adolf Hitler Advérbios Afonso Pena AlCA x ALBA Alca Alfabeto Alfred Wegener Anatomia comparada Apec Apostila Apostila Concurso Professor Apostila PEB ll Arte Barroca Arte Rupestre Artesanato Arthur Aguiar Artigos Assíria Asteca Astrolábio Atletismo Até onde a Lua influencia a nossa vida? Automação Babilônia Badminton Balonismo Barack Obama Barão de Mauá Barão do Rio Branco Basquetebol Beisebol Benito Mussolini Benjamin Constant Bilhete Biodiversidade Biogeografia Biologia molecular Boxe Brasil - Eleições 2006 CEI – Comunidade dos Estados Independentes CLIMA Cabo de Guerra Caminhada Cana-de-açúcar Capoeira Caratê Caricom Carlos Chagas Carlos Drummond de Andrade Carta Argumentativa Carta comercial Carta de Reclamação Carta de informação Carta de solicitação Carta do leitor Cartaginês Cartão-postal Carvão mineral Casal Castro Alves Celta Charles Chaplin Chico Buarque de Holanda Chinesa - Civilizações Ciclismo Circunferência Clarice Lispector Classificação dos blocos econômicos Claude Debussy Comemoração em outros Países Comparativo entre C e java Comunidade Britânica Comunidade Sul-Americana de Nações Conceito Conceitos Concretismo Consciência Convite Copa 2014 Coreia do Norte e a Coreia do Sul Corrida Crise na Tunísia Cruzadas Crítica DEFENSIVOS AGRÍCOLAS DENSIDADE DESENHO DESMATAMENTO DESTAQUES NO MUNDO DOMESTICAÇÃO Dança Data Comemorativa Data Mining Data Warehouse Decreto nº 7.508 Descrição Desflorestamento Desrespeito com o professor Dia das Mães Dia do Descobrimento do Brasil - 22 de Abril Dicionário Web Direito Administrativo Dom Pedro I Duque de Caxias E-mail ESPÉCIES EM EXTINÇÃO EXPRESSIONISMO Educação no Brasil Educação nota 10 Egípcia Eleição de Dilma Rousseff Energia Solar Enunciação e contexto Escalada Escultura Esgrima Esporte Estrangeirismo Estrangeirismos Estudar é para os fortes Estudo da Circunferência Euclides Evolução da Tecnologia da Informação Exemplos de Textos do Cotidiano Expedições medievais realizadas em nome de Deus FIES FOTOSSÍNTESE Falsos Sinônimos Falta de Vagas Fauna Fenícia Feriados Feudalismo Figuras de estilo Filogenia Filogeografia Filosofia Fisiologia Flora Fly Fishing Formação de blocos econômicos Força de Floriano Fracasso da Alca Francesa Frases em imagens Frescobol Futebol americano Futurismo Fórmula 1 G 20 Financeiro GEO1M1 GEO2M2 Geometria Euclidiana Germânica Geógrafo Geólogo Ginástica Artística Ginástica de trampolim Globalização Glossário Web Golfe Golfo Pérsico Gonçalves Dias Governo x Educação Graciliano Ramos Grafite Grega Grego Grigori Perelman Guerra Guerra Civil Americana Guerra de Secessão Guia Prático Gêneros textuais argumentativos Gêneros textuais do cotidiano Gêneros textuais do universo jornalístico HISTiatÓRIA DA EDUCAÇÃO HISTÓRIA DA ARTE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃ Heitor Villa-Lobos Hidroginástica História do Futebol História em quadrinhos Homero Homo sapiens Homônimas e Parônimas Hóquei IMPRESSIONISMO Idade Antiga Idade Contemporânea Idade Moderna Importância da mulher na sociedade Inca Indiana Indigena Individualismo Industrialização da China Industrialização e Urbanização Indígena no Brasil Indígenas Inglesa Inglês Ingresso Tardio Inscrições Integração da Venezuela ao Mercosul James Watt Japonesa Jet Ski Jiu Jitsu Jogo de Queimada Jogos Olímpicos Pequim 2008 John Fitzgerald Kennedy José de Alencar Judô Karl Marx Kung-Fu Lima Barreto Linguagem e comunicação Localização do Golfo Pérsico Luiz Gonzaga MEIO AMBIENTE MIGRAÇÕES ANIMAIS MMA Mixed Martial Arts Madeira Mahatma Gandhi Maia Mamíferos Manguezal Medicina Memórias de Computadores Mercosul Mercosul: Países Integrantes Mercúrio (planeta) Mergulho Mesóclise Minas Gerais Missão Científica Espacial Brasileira Mix Útil Modelos de Processadores Modismos Monarquia Monteiro Lobato Moralismo Morfologia Mundo Summary Musculação Médicos Nado Sincronizado Natação Neologismo Neologismos O milênio da mulher O que é Educação Física? OEA OLAP OMC ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO SUS - LEI 8080/90 E 8142/90 ORIGAMI Op-art Opep Opinião Os livros são um oceano infinito de conhecimento PEB ll POLUIÇÃO Paleontologia Parkour Pedro Bandeira Pedro Álvares Cabral Pensamentos Persa Perímetros Pesquisa Pessoa Piaget Pintura Placa tectônica Planejamento e Gerência de Projeto de Software Planície Pleonasmo Pontuação Pop Art Portugal Povos indígenas Presidentes da República do Brasil Primavera Árabe Princesa Isabel Professor Professor trollando aluno que não estuda Pronomes átonos Prosa Naturalista Prova Pré-História Próclise QUALIDADE DE VIDA QUESTÕES DE Português Acentuação Com Gabarito QUESTÕES DE Português Crase com Gabarito Questão do Mensalão Questões de Português Ortografia com Gabarito R$9 RENASCIMENTO RESPONSABILIDADE SOCIAL ROCOCÓ Racismo Ranking Mundial de Educação Rapa-Nui Rebelião Popular Rede municipal de saúde Redundância Relacionamento Remo Repetência Reservas indígenas no Brasil Respeite o Professor Respostas Resumo de Livro Revolta da Armada Revolta da Vacina Revolta na Líbia Revolta no Egito Revolução Federalista Revolução Francesa Robô Romana Romero Britto Russa SADC Saltos Ornamentais Semânticas Seriados Sintaxe Sismo Sistema Operacional Sistemática Skate Squash Subjuntivo Suméria Surfe Tabelas Cruzadas e DrillDown Taekwondo Teatro Terremoto Texto instrucional (injuntivo) The Vampire Diaries Tigres Asiáticos Tipos de Frase Triathlon Turca Turfe Tênis Unasul União Europeia União Européia Urbanização da China Urânio Uso do Hífen (Novo Acordo Ortográfico) Verbo Auxiliar Verbos Abundantes Verbos Anômalos Verbos Defectivos Verbos Regulares e Irregulares Verbos Transitivos Verbos de Ligação Verdades e mentiras sobre o conflito das Coreias Vida de professo Viking Voleibol Voleibol de Praia Volumes Water Bike Xadrez Xenofobia Xilogravura Zuando na escola 2013 dúvida léxico regionalismo saúde no Brasil tempo verbal toma dicionário na cara variante linguística Árabe - Civilizações Áreas Ângulos Ênclise